Ações para a redução do Aquecimento global

Mestre em Ecologia e Recursos Naturais (UFSCAR, 2019)
Bacharel em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2015)

Apesar de ser um fenômeno global iniciado a mais de 200 anos (com a revolução industrial), o Aquecimento Global ainda pode ser combatido eficientemente através de ações de mitigação dos seus efeitos ou de redução dos fatores que o intensificam.

O fator mais agravante e primordial a ser considerado no combate ao aquecimento global são as emissões de gases do efeito estufa. Para isso, devemos buscar, de maneira global, políticas públicas e movimentos civis que pressionem diversos setores econômicos considerados mais poluentes. Atividades de transporte e as industriais ainda são as maiores fontes de emissão de gases danosos. A busca contínua de fontes de energia renováveis e menos poluidoras auxilia o problema dos transportes, mas também precisamos pensar em iniciativas que reduzam a frota global de carros e caminhões. O consumo de produtos locais, que reduzam a necessidade de deslocamento e o uso de transportes públicos nas cidades são alguns exemplos.

Redução, reuso, reciclagem

Ações menores e locais, que se iniciem em nossos próprios lares, podem contribuir muito para melhorias regionais. Consumir menos plástico e reciclar os materiais induz uma redução da produção de compostos derivados do petróleo que tem difícil degradação ou que consumem muita energia para serem reutilizados. Usar formas alternativas de transporte e procurar consumir alimentos produzidos em sua região também favorecem a redução da pegada de carbono individual.

Ilustração: Alfmaler / Shutterstock.com

Créditos de carbono

Diversos países buscaram estabelecer taxas e créditos de carbono como uma forma de reduzir as emissões de gases em escalas nacionais, permitindo que haja vantagens econômicas para empresários que sigam planos ambientais mais sustentáveis. No futuro próximo, precisamos intensificar a conscientização de todas as esferas sociais da população global, seja através da educação formal, através da grande mídia ou através de políticas públicas. Para isso, precisamos eleger representantes políticos que estejam a par dos debates ambientais e que não sejam negacionistas em relação ao Aquecimento Global.

Reflorestamento

O reflorestamento de áreas degradadas é uma outra ação de mitigação dos efeitos já existentes das mudanças climáticas. Isso pode ser feita tanto pela iniciativa privada quanto pela pública. Diversas ONGs amigas do meio ambiente promovem ações voluntarias de replantio. Procure em sua cidade ou região atividades desta natureza que lhe permitam contribuir de modo ativo para mudanças positivas. Também devemos cobrar de nossos representantes políticos eleitos ações contra o desmatamento e contra a poluição causada pela agricultura e pecuária.

Diminuição do consumo de energia e uso de fontes renováveis

A captação de água da chuva e a instalação de painéis solares, tanto em domicílios quanto em empresas e prédios públicos é um mecanismo ainda tímido de combate ao consumo elevado de água e energia que pressiona o sistema poluidor. Essas iniciativas precisam estar atreladas aos planos pessoais e políticos das nações que realmente querem agir contra o aquecimento global. Para que o uso de painéis solares, por exemplo, se torne mais abrangente, se faz necessário que haja planos de subsidio econômico para a produção e instalação destes equipamentos.

Em relação a alimentação, buscar consumir menos carne e produzir menos resíduos é uma ação simples e eficiente que combate não somente problemas ambientais como também sociais. Ser um consumidor consciente propaga a mensagem de que empresas que não se adequam ao modelo da Economia Verde perdem espaço no mercado. Isso induz uma pressão econômica enorme sobre essas organizações, que precisam buscar mecanismos sustentáveis de produção caso não queiram falir. Embora imaginemos que não temos poder de fazer mudanças positivas com efeitos reais, devemos entender que as mudanças que irão reduzir o aquecimento global só ocorrerão no todo, globalmente, quando cada um de nós contribui localmente com pequenas atitudes.

Leia também:

Referências:

Lubell, M., Zahran, S. and Vedlitz, A., 2007. Collective action and citizen responses to global warming. Political Behavior29(3), pp.391-413.

Wynes, S. and Nicholas, K.A., 2017. The climate mitigation gap: education and government recommendations miss the most effective individual actions. Environmental Research Letters12(7), p.074024.

Arquivado em: Ecologia