Detritívoros

Quando pensamos em cadeia alimentar nos deparamos com organismos produtores e consumidores. O sistema funciona como um círculo, em que todo organismo envolvido irá desempenhar uma função. Uma das muitas maneiras de dividir uma cadeia alimentar para estudo pode ser separando indivíduos autotróficos (que produzem seu próprio alimento) e indivíduos heterotróficos (que não produzem seu próprio alimento, usam de outros métodos para obter energia). Encaixam-se no grupo heterotrófico, os seres detritívoros.

Os organismos detritívoros são os que se alimentam de matéria orgânica degradada ou organismos mortos, independente de tempo do óbito. Dentre o grupo de animais classificados como detritívoros, estão: aves, mamíferos, peixes e insetos. Os animais detritívoros não usufruem de grande carisma entre as pessoas, devido aos hábitos alimentares que apresentam, estão sempre associados á doenças, sujeira, carniça, fato este que não necessariamente é verdadeiro. Independente de preconceitos, esta classe de animais desempenham papel importantíssimo dentro de uma forma cíclica, modo qual as cadeias alimentares funcionam.

De certa forma, esses animais detritívoros promovem o início de um processo de reciclagem da matéria orgânica, facilitando o trabalho de decomposição que bactérias e fungos desempenham, obtendo como resultado final do processo as proteínas.

A seguir, alguns exemplos de animais considerados detritívoros.

  • Coleoptera scarabaeidae, escaravelho – espécie de besouro.
  • Periplaneta americana – espécie de barata
  • Gymnogyps californianus – espécie de urubu
  • Crocuta crocuta – espécie de hiena
  • M. domestica – espécie de mosca
  • Prochilodontidae – espécie de peixe

A existência dos animais detritívoros é necessária para que o ambiente mantenha um equilíbrio ecológico. Da mesma maneira que se o número de animais carnívoros diminuísse consideravelmente, o número de animais herbívoros aumentaria na mesma proporção. Essa situação a longo prazo se tornaria extrema e chegaria em um ponto de descontrole ecológico. Com os animais detritívoros, situações semelhantes podem acontecer; suponhamos que o número de urubus e hienas diminua de 200 para 20, a longo prazo o número de formigas, moscas e besouros, iria aumentar muito, pois eles iriam gastar menos energia procurando alimento já que a competição pelos restos de animais seria menor, e teriam mais energia para ser gasta com a reprodução da espécie. Assim, qualquer que seja a espécie que aumente ou diminua de modo descontrolado, gera um desequilíbrio do meio, de forma direta ou indireta as espécies que ali estão irão sofrer as consequências.

Os animais detritívoros, também são conhecidos como carniceiros e saprófagos (comem organismos mortos).

Referências bibliográficas:

Ecologia: De individuos a ecossistemas. Por Michael Begon, Colin R. Townsend e John L. Harper

BESOUROS DETRITÍVOROS (COLEOPTERA, SCARABAEIDAE) DE UMA RESERVA DE MATA ATLÂNTICA NO LITORAL NORTE DA BAHIA (RESERVA DA SAPIRANGA, MUN. MATA DE SÃO JOÃO). Priscila Paixão Lopes; Fernando Zaguri Vaz de Melo; Vanessa Perpétua Garcia Santana Reis; Patrícia Luiza Oliveira Rebouças

https://en.wikipedia.org/wiki/Food_chain

Vianna, E. E. S.; Berne, M. E. A. & Ribeiro, P. B. 2001. Desenvolvimento e longevidade de Periplaneta americana Linneu, 1758 (Blattodea: Blattidae). Revista Brasileira de Agrociências

Arquivado em: Ecologia