Economia da Bahia

Mestre em Ciências Humanas (PUC-RJ, 2016)
Graduado em Geografia (UFF, 2009)

A economia do Estado da Bahia é bastante diversificada, com atuação nas atividades da agropecuária, indústria, mineração, turismo e serviço. O Estado da Bahia é responsável por, aproximadamente, 36% de todo Produto Interno Bruto (PIB) da região nordeste (IBGE, 2015). Podemos destacar ainda a importância do município de Salvador, capital do Estado da Bahia, ocupa a primeira posição dentre todos os municípios da região nordeste, com uma participação de 6,82% da economia da região citada, e ocupando a 9° posição do ranking nacional (IBGE, 2015).

Em geral, a economia de um estado ou de um país é analisada por meio dos setores econômicos que são: o setor primário, o setor secundário e o setor terciário. Resumidamente, pode-se dizer que o setor primário da economia está relacionado à produção através da exploração dos recursos da natureza. Como exemplos de atividades neste setor, pode-se citar: agricultura, mineração, pesca, pecuária, extrativismo vegetal e caça. É importante acrescentar que o setor primário fornece a matéria-prima para a indústria de transformação.

No setor primário da economia, o Estado da Bahia se destaca como produtor de cacau, sisal, mamona, coco, feijão e mandioca. Nas proximidades do município de Ilhéus, onde encontram-se condições favoráveis para a produção de cacau, há uma produção significativa de outras culturas como o milho e a cana-de-açúcar. Podemos destacar aqui a pecuária do Estado, que possui grande destaque nacional, ocupando o sexto lugar no Brasil, os caprinos detêm um dos maiores rebanhos do país. Recentemente o Estado vem se despontando como um importante produtor de soja. Além disso, na atividade extrativista, o Estado desenvolve grande potencial na exploração de petróleo, além da extração de metais como ouro, cobre, magnesita, cromita, sal-gema, barita, manganês, chumbo e talco.

O setor secundário da economia é aquele que transforma as matérias-primas (produzidas pelo setor primário) em produtos industrializados (roupas, máquinas, automóveis, alimentos industrializados, eletrônicos, casas, etc.). Como existem conhecimentos tecnológicos agregados aos produtos do setor secundário, o lucro obtido na comercialização é significativamente maior do que aquele obtido no setor primário. Países com grau de desenvolvimento elevado tem a sua economia baseada no setor secundário da economia.

No setor secundário da economia, a Bahia se destaca nas áreas química, petroquímica, agroindústria, informática, automobilística e peças.

O setor terciário da economia é aquele que engloba a os serviços. Os serviços, diferente dos outros dois setores citados anteriormente, são produtos não materiais. Pode-se citar como exemplo de atividades neste setor: comércio, educação, saúde, telecomunicações, serviços de informática, seguros, transporte, serviços de limpeza, serviços de alimentação, turismo, serviços bancários e administrativos, transportes, entre outros.

No setor terciário, destacamos o turismo, uma vez que o Estado possui enormes possibilidades como passeios urbanos ou em lugares naturais como praias, ilhas, chapadas entre outras. Somente essa atividade emprega pelo menos 88 mil pessoas de forma direta. A prestação de serviços é um ramo que cresce cada vez mais no Estado e ocupa grande importância na sua economia.

Referencias:

IBGE, Brasil em síntese: Panoramas. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama. Acesso em: 31 de janeiro de 2018.

___. Em 2015, PIB cai em todos os estados pela primeira vez em 14 anos. Agencia IBGE Notícias, 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18005-em-2015-pib-cai-em-todos-os-estados-pela-primeira-vez-em-14-anos.html. Acesso em 23 de dezembro de 2017.

Salvador sobe uma posição e se torna o 9º PIB do Brasil. Correio 24 Horas. Disponível em : http://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/salvador-sobe-uma-posicao-e-se-torna-o-9o-pib-do-brasil. Acesso em: 02 de fevereiro de 2018.

Arquivado em: Bahia, Economia