Congada

A Congada, também conhecida como Congado ou Congo, é uma manifestação cultural e religiosa, que faz parte do Folclore Brasileiro (folclore é um conjunto de costumes e crenças por grupos ou indivíduos que revelam a identidade cultural por meio da música, dança, teatro, festas populares, comida, lendas, etc).

A festa popular originou no Brasil na metade do século XVII. Ela carrega elementos culturais africanos (principalmente do povo de Angola e Congo) e elementos da Igreja Católica trazidos pelos portugueses, ou seja, uma mistura das festas trazidas pelos negros escravizados com a religiosidade cristã na época colonial.

Grupo de congada, em Aparecida (SP), 2019. Foto: Erica Catarina Pontes / Shutterstock.com

A Congada ocorre em procissão ou desfile, e é marcada por cantos, danças, teatros e outras apresentações. Pode envolver entre 50, 200 ou mais integrantes, que são divididos em grupos chamados congada de cima e congada de baixo. A congada de cima é composta por personagens que representam rei, rainha, cacique, príncipes, fidalgos e crianças que são chamadas de conguinhos. A congada de baixo, reúne o embaixador, o secretário e os guerreiros. Cada região do país acrescenta características específicas de suas tradições.

Os instrumentos musicais utilizados são a cuíca, a caixa, o pandeiro, o reco-reco, o cavaquinho, a viola, o violão, o tarol, o tamborim, o ganzá, a sanfona, rabeca, violino e acordeom. O canto geralmente envolve uma parte de idioma português e outra de idioma banto. As letras mencionam o sofrimento dos escravos e também a esperança, a redenção, e a invocação dos santos para que a vida desse povo pudesse mudar.

A celebração ocorre em meses diferentes de acordo com a localidade do país. Os Estados que têm maior representatividade na Congada são Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Paraná e São Paulo, No evento também são louvados São Benedito, Santa Efigênia e Nossa Senhora do Rosário.

São Benedito: nasceu em 1526, na Sicília, Itália. Seus pais foram escravos vindos da Etiópia para Sicília. De acordo com a história, seus pais não queriam ter filhos para não gerar mais escravos. O senhor deles sabendo disso, informou que se eles tivessem um filho daria à criança, a liberdade. Logo depois tiveram Benedito, e como prometido, ele foi libertado. Benedito, que foi criado na fé cristã pelos pais, tornando-se quando adulto. Há relatos de que ele realizou muitos milagres, por isso, foi canonizado em 1807 pelo Papa Pio VII. Apenas no Brasil, a data de São Benedito é comemorada em 5 de outubro, nos outros países, a celebração acontece em 4 de abril.

Santa Efigênia: filha de reis de Núbia ou Noba, localizada na Etiópia. Logo após a ascensão de Jesus Cristo, Efigênia foi a única pessoa que aceitou a ideia de aceitar um único Deus. E rejeitar o paganismo. Alguns discípulos de Jesus haviam passado pela capital da Núbia para pregar o evangelho. Os sacerdotes do local insatisfeitos com a crença de Efigênia e dos discípulos, conseguiram convencer ao rei de oferecê-la em sacrifício por meio de “um fogo sagrado”. Segundo a lenda, os sacerdotes acenderam a fogueira em torno dela e ela invocou Jesus. Com sua fé, surgiu um anjo que a libertou da fogueira e a transportou para outro local. Após este episódio, além do rei e da rainha, todos daquele reino se converteram e foram batizados. Efigênia passou a pregar a palavra de Deus e a passar por muitas provações. A data de comemoração da santa é 21 de setembro.

Nossa Senhora do Rosário: originou dos monges irlandeses no século VIII, que recitavam os 150 Salmos da Bíblia. As pessoas que não sabiam ler, os monges ensinavam a rezar 150 Pai Nossos, e mais tarde foi substituído por 150 Ave Marias. A palavra Rosário quer dizer um buquê de rosas que se oferece à Nossa Senhora, representando Maria mãe de Jesus. A celebração de Nossa Senhora do Rosário acontece em 7 de outubro.

Arquivado em: Folclore