Geografia de Sergipe

Com uma área de 21.918,454 km², Sergipe é a segunda menor unidade federativa do Brasil, a frente apenas do Distrito Federal, sendo assim o menor estado brasileiro. Em virtude de seus limites compreenderem uma área muita reduzida em relação aos demais estados, o território sergipano está situado em uma região morfologicamente pouco movimentada. Áreas planas e pequenas elevações caracterizam o relevo do estado. Assim, o relevo de Sergipe é dividido em: pediplano sertanejo, tabuleiros costeiros e planície costeira.

A planície costeira sergipana estende-se por 163 km entre os rios São Francisco e Real e é marcada pela presença de várzeas, em virtude das chuvas que abastecem a região entre maio e agosto. Assim como outras faixas litorâneas brasileiras, a interação entre continente e oceano inibiu o desenvolvimento geomorfológico da região. A excessiva drenagem que recebe inibe a proliferação de nutrientes, o que inviabiliza o cultivo agrícola nesta porção do território.

A oscilação do nível do mar e as transformações ocorridas no litoral brasileiro durante o quaternário permitiram pequenas alterações morfológicas na região. Os terrenos mais altos chegam a atingir 10 metros de altitude. Tais mudanças levaram ao surgimento da margem oceânica que é interrompida somente na desembocadura dos rios.

Os tabuleiros costeiros, originados entre o final do período Terciário e o início do Quaternário, caracterizam-se pelo solo arenoso, pobre e seco com altitudes que variam entre 300 e 700 metros. Eles se situam especialmente em colinas de topos convexos e estão depositados sobre rochas sedimentares inconsolidadas que formam a Bacia Sedimentar de Sergipe. Nas baixas colinas, o solo chega a ser argiloso, expandindo-se quando úmido e contraindo-se quando seco – o que torna propício à agricultura –, mas em geral, os tabuleiros são caracterizados por solos pedregosos e pobres.

Por fim, o pediplano sertanejo é caracterizado por sua superfície extremamente plana, em virtude do clima seco que predomina na região. A altitude atinge limites de 750 metros em relação ao nível do mar. Ocorre ainda a existência de colinas rebaixadas que criam vales largos e rasos com declives bem limitados.

No noroeste de Sergipe, mais precisamente na divisa com a Bahia, encontra-se a Serra Negra, ponto de maior altitude do estado, com 750 metros. Já na porção sudoeste está localizado o planalto do Sudoeste, formado durante o Pré-cambriano. A região é destacada por dobramentos suaves e pela formação baseada em arenitos.

Outro ponto morfologicamente importante do estado é o Domo de Itabaiana, composto pelas serras Comprida, de Itabaiana e do Cajueiro. De relevo suave e ondulado, suas altitudes podem chegar a 659 metros. Sua relevância é atribuída ao fato de estar localizado na zona de transição entre a Caatinga e a Mata Atlântica, estando inserido na porção semi-árida do estado, entretanto, marcado pela alta precipitação anual (1100 a 1300 mm).

Leia também:

Referências bibliográficas:

ALMANAQUE Abril. São Paulo: Abril, 2015.

ARAÚJO, Hélio Mário de. Clima e Condições Meteorológicas. In: SANTOS, Vera Maria dos. Geografia de Sergipe. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, CESAD, 2012. Disponível em: <http://www.cesadufs.com.br/ORBI/public/uploadCatalago/14333816012013Geografia_de_Sergipe_Aula_5.pdf>.

IBAMA. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/>.

OBSERVATÓRIO de Sergipe. Disponível em: <http://observatorio.se.gov.br/>.

SANTOS, Patrícia Cardoso dos (et al.). Enciclopédia do Estudante: geografia do Brasil: aspectos físicos, econômicos e sociais. São Paulo: Moderna, 2008.

SANTOS, Reginaldo Alves dos (org. et al.). Geologia e recursos minerais do Estado de Sergipe. Brasília: CPRM/DIEDIG/DEPAT; CODISE, 2001. Disponível em: <http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/5024/Rel_Sergipe.pdf?sequence=1>.

SECRETARIA de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Disponível em: <http://sirhse.semarh.se.gov.br/>.

UNIVERSIDADE Federal de Santa Catarina – Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Atlas Brasileiro de Desastres Naturais: 1991 a 2012. 2 ed. Vol. Sergipe. Florianópolis: CEPED UFSC, 2013. Disponível em: <http://150.162.127.14:8080/atlas/Atlas%20Sergipe%202.pdf>.

Arquivado em: Sergipe