Ilhas Virgens Britânicas

Publicado em 26/06/2022
Ouça este artigo:

Localizadas no mar do Caribe, as Ilhas Virgens Britânicas estão próximas de Porto Rico (leste) e das Ilhas Virgens dos Estados Unidos. Ao todo, o arquipélago é formado por 36 ilhas e, entre elas, as que apresentam maior área territorial são: Jost Van Dyke, Virgem Gorda, Anegada e Tortola, na qual se encontra a capital das Ilhas Virgens Britânicas: Road Town. Refletindo a presença paradoxal do colonialismo ainda no século XXI, estas ilhas são uma propriedade do Reino Unido, consideradas como uma área britânica além de suas fronteiras.

Após a dominação pelo Reino Unido, as eleições nas Ilhas Virgens Britânicas ocorreram pela primeira vez somente em 1967, visto que a Grã-Bretanha tem o comando das ilhas desde 1672. Desta forma, em quase 300 anos desde a entrada dos ingleses, o território nunca teve a possibilidade de fazer valer a sua soberania territorial. A partir destas eleições ao final dos anos 60, a área passou a ter a administração a partir um governador, que tem a indicação por meio da Coroa britânica.

As funções deste governador são exclusivamente relacionadas ao controle britânico na região. Por ele passam os assuntos referentes à Justiça, Serviços Públicos, Relações Diplomáticas e Forças Armadas. Em 1998, a própria Rainha Elizabeth nomeou um dos mais conhecidos administradores das Ilhas Virgens Britânicas, Frank Savage, que esteve no cargo até 2004. Em 2021, o governador nomeado para as Ilhas Virgens Britânicas foi John Rankin, um diplomata inglês.

Os partidos que compõe o sistema político das Ilhas Virgens Britânicas são: Partido Unido, Partido das Ilhas Virgens e o Partido Nacional democrata, que se revezam no poder em períodos diferentes.

Economia

A atividade turística e a possibilidade de transações bancárias internacionais facilitadas e com baixa fiscalização – visto que as ilhas são um paraíso fiscal – movimentam toda a economia local. Mais de 40% da receita das Ilhas Virgens Britânicas deriva do turismo, pois a região costuma receber milhares de visitantes todos os anos.

O que costuma atrair turistas para as ilhas são: vegetação exuberante, ruínas, cavernas submersas, praias virgens e ilhas de corais. As regiões com mais desabitadas das Ilhas Virgens Britânicas servem como entrepostos relacionados ao tráfico internacional de drogas.

Primeiros habitantes

Os primeiros povos a habitarem o arquipélago foram os aruaques (100 a.C.). Após o século XV, os nativos do povo caribe foram responsáveis por expulsar os aruaques a partir das Pequenas Antilhas. Foi através dos caribes (caraíbas) que se originou a nomenclatura mar do Caribe.

Disputas territoriais

Em 1493 Cristóvão Colombo avistou o território das Ilhas Virgens Britânicas, nomeando-o como forma de homenagear Santa Úrsula e suas 11 mil virgens. A Espanha obteve as ilhas ao começo do século XVI. O território que saltou aos olhos dos europeus primeiramente foi Virgem Gorda, que possuía diversas minas de cobre. A região seria ainda disputada por dinamarqueses, franceses, neerlandeses e ingleses, que utilizavam as ilhas para refugiar piratas e saqueadores. Ao longo de anos de colonização a partir de potências europeias, os caribes e aruaques foram dizimados.

Colonização britânica

A partir do ano de 1672, o território das Ilhas Virgens Britânicas passou a ser controlado pela Grã-Bretanha. No século XVIII, os escravos totalizavam sete mil habitantes, índice maior do que o número de colonos presentes na região em uma escala de seis para um. No começo do século XIX, devido à crise referente à produção de açúcar, houve a abolição da escravidão.

As Ilhas Virgens Britânicas passaram a fazer parte das Ilhas de Sotavento em 1872. Somente em 1977 foi promulgada a Constituição do arquipélago, que sofreu alterações no ano 2000, porém mantendo o país ainda uma colônia britânica.

Bibliografia:

https://bvi.gov.vg/content/our-history

http://latinoamericana.wiki.br/verbetes/v/virgens-britanicas-ilhas

https://ec.europa.eu/international-partnerships/where-we-work/british-virgin-islands-uk_ro

https://www.jstor.org/stable/25651336

Arquivado em: América