Sans-culottes

Mestra em História (UFRJ, 2018)
Graduada em História (UFRJ, 2016)

O termo “sans-culottes” tem origem francesa e pode ser traduzido literalmente como “sem meias altas”, sendo as culottes peças de roupa de uso específico apenas das camadas mais altas da nobreza francesa. Os sans-culottes eram, portanto, membros não privilegiados da sociedade francesa, tendo ocupado papel fundamental do desenrolar da Revolução Francesa.

Os sans-culottes eram em essência trabalhadores urbanos, que podiam ter ocupações tão variadas quanto o artesanato, o comércio, a advocacia e o jornalismo, podendo até mesmo serem proprietários modestos de terras. Quando, na década de 1780, uma grande crise financeira atingiu o reino de França, motivada por colheitas ruins, cobrança desigual de impostos e despesas bélicas, seriam esses trabalhadores urbanos uma das classes sociais mais atingidas.

Em 1789, o ministro das Finanças do rei Luís XVI, Jacques Necker, propôs uma série de reformas financeiras no Estado francês, nas quais o clero e a nobreza francesa, que formavam respectivamente o primeiro e o segundo estados, passavam a dividir a carga do pagamento de impostos com o restante da população, que formava em seu conjunto o terceiro estado. O monarca, entretanto, rejeitaria as ideias de Necker, dispensando-o de seu serviço pouco depois. A demissão do ministro seria um dos principais motivos que levaria à agitações sociais na capital francesa, Paris.

Um típico sans-cullote. Pintura de Louis-Léopold Boilly.

Neste cenário, ocorreria a primeira reunião dos Estados Gerais em quase 200 anos. Como o primeiro e o segundo estados sempre votavam juntos, porém, a reunião falhou em solucionar quaisquer problemas até o momento em que o terceiro estado requereu que os deputados passassem a votar individualmente. Em meio a um impasse, ele se retiraria da reunião, passando a constituir a Assembleia Nacional Constituinte. A partir deste momento, se iniciaria o processo de ascensão política dos sans-culottes, ocorrido em paralelo à tomada de poder pelos jacobinos, seus principais representantes.

Em 1791, Luís XVI e sua família mais próxima tentaria fugir para a Áustria, terra natal da rainha consorte Maria Antonieta, tendo como objetivo organizar uma reação para retomar o governo monárquico absolutista. Apreendidos próximos à fronteira e conduzidos de volta à capital por populares, porém, a fuga só conseguiu endurecer o tratamento dos sans-culottes à família real, que inclusive liderariam o processo de julgamento informal e assassinato de uma favorita da rainha, a princesa de Lamballe, exibindo depois sua cabeça decapitada perante a prisão onde Maria Antonieta fora detida.

Pouco depois, a República seria proclamada e o rei Luís XVI executado, seguido em breve pela rainha Maria Antonieta. Esta última morte foi uma importante conquista dos sans-culottes e de seu líder, Maximilien Robespierre, que sob o pretexto da ameaça de invasão da França por uma coalizão internacional pôde instaurar o que era basicamente um governo ditatorial. Como um todo, o período é conhecido como Terror, que se caracterizaria pelos rápidos julgamentos e execuções na guilhotina pelo Tribunal Revolucionário de qualquer um suspeito de cometer traição, incluindo o antigo líder jacobino George-Jacques Danton.

Mesmo que o governo jacobino fosse popular por meio de medidas como fixação de preços de certos produtos, regulamentação de salários, reforma agrária e liberdade religiosa, em 1795 Robespierre apenas conseguiria satisfazer os anseios dos sans-culottes por meio de ações cada vez mais radicais. Isso o fez perder apoio entre a população em geral, o que deixou os jacobinos vulneráveis ao golpe do 9 Termidor. Robespierre seria executado rapidamente, e os levantes dos sans-culottes seriam derrotados pela Guarda Nacional comandada pelo novo governo conservador. Desde então, eles não seriam mais uma força política relevante na Revolução Francesa.

Bibliografia:

https://www.thoughtco.com/who-were-the-sans-culottes-1221898

https://estoriasdahistoria12.blogspot.com/2014/01/os-sans-culottes.html

https://intelectuaisdahistoria2.wordpress.com/2012/05/16/sans-culottes/

https://prof-tathy.blogspot.com/2012/08/sans-culottes.html

https://www.britannica.com/biography/Jacques-Necker

http://www.madameguillotine.co.uk/2012/09/03/the-death-of-the-princesse-de-lamballe/

https://www.britannica.com/biography/Maximilien-Robespierre