Ubirajara

Pertencente ao Romantismo, o romance Ubirajara, de José de Alencar, é um dos romances indianistas do autor, junto com O Guarani e Iracema. O romance foi o último que o autor escreveu neste gênero, e teve o intuito de promover ou resgatar a nacionalidade.

ubirajaraO índio, protagonista da história, representa a base da formação do povo brasileiro, na visão do nacionalismo romântico. O romance reconstrói a imagem do índio, defende sua cultura e tentam evidenciar as diferenças entre ele e os europeus.

O romance busca resgatar alguns valores humanos, atribuindo-os aos índios, tais quais a lealdade, a bravura, a valentia, etc. Defende itens da cultura indígena como a poligamia, e culpa os portugueses pelas consequências do processo de colonização que, segundo a visão da obra, acabou fazendo com que o índio brasileiro perdesse sua identidade cultural. Neste e nos demais romances indianistas, José de Alencar buscou resgatar os valores intrinsecamente indígenas, exaltando-os, enquanto criticava os valores trazidos pelos europeus.

A narrativa fala de Jaguarê, um índio jovem, caçador, que luta para se tornar guerreiro, até que vence o grande guerreiro Pojucã, e finalmente é reconhecido como herói. Passa, então, a ser chamado de Ubirajara, o senhor da terra, passando a ser chefe da tribo dos araguaias. Em dado momento, encontra Araci, uma virgem tocantim, filha do chefe Itaquê, e é recebido por este como pretendente de Araci. Para tanto, precisa, no entanto, enfrentar outros pretendentes. Forma-se portanto um triângulo amoroso, visto que havia uma pretendente de sua tribo chamada Jandira, com a qual o índio já iria constituir família.

Em seguida o pai de Araci descobre que o Ubirajara era da tribo inimiga e o prende. Os araguaias invadem a aldeia dos tocantins e as duas tribos lutam, até que Ubirajara consegue dobrar o arco de Itaquê e se torna o chefe das duas tribos, que se juntam e passam a se chamar Ubirajaras. O herói se casa com Araci e com Jandira, e se tornam uma só família.

O romance foi produzido em 1874 e é considerado um típico romance indianista de José de Alencar. Exaltando a natureza brasileira como paradisíaca, e o índio como um herói, o autor utiliza uma linguagem rica em adjetivos e figuras de linguagem.

A narração é feita em terceira pessoa, e o narrador é predominantemente observador, tendo alguns momentos de onisciência. O tempo é cronológico, e conta uma história anterior ao descobrimento do Brasil, se passando na mata da região do Tocantins

Como todo bom romance romântico, a história não poderia deixar de conter as lutas, as histórias de amor, os cantos de amor, e a linguagem poética.

Fontes:
http://vestibular.uol.com.br/resumos-de-livros/ubirajara.htm
http://www.vestibular1.com.br/resumos_livros/ubirajara.htm
http://www.netsaber.com.br/resumos/ver_resumo_c_1810.html
http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/u/ubirajara
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ubirajara_(livro)

Arquivado em: Livros