Macaco-aranha

Graduada em Ciências Biológicas (USU, 2009)

O macaco-aranha, também conhecido por coatá preto, faz parte do grupo da família Cebidae e subfamília Atelinae. Recebem este nome por apresentar os membros maiores que o tamanho do tronco e por utilizar todos os membros e a cauda quando se locomovem. Quando comparados a outros macacos, os membros são proporcionalmente muito maiores, assemelhando-o a uma aranha.

As mãos do macaco-aranha apresentam um polegar rudimentar, como o encontrado nos gibões, o que constitui uma adaptação ao salto de ramo em ramo, quando a mão é usada como um gancho. É comum ver estes animais pendurados por apenas um dos membros e pela cauda que é preênsil. Comumente pulam entre os galhos com agilidade e em determinado momento param pendurados pelos membros superiores com o auxilio da cauda e ficam balançando. Geralmente não descem das árvores, mas pulam ou se jogam entre elas com os braços abertos e agarram-se nos galhos, preferem viver nas regiões mais altas das árvores.

Macaco-aranha da espécie Ateles geoffroyi. Foto: Ivan Kuzmin / Shutterstock.com

As características do macaco-aranha são: comprimento de 38 a 65 cm, a cauda medem 50 a 90 cm, pesam de 6 a 8 kg, vivem em grupos de até 30 indivíduos. A face destes animais, na maioria das vezes, apresenta círculos brancos ao redor dos olhos, mas alguns possuem a face avermelhada ou toda enegrecida.

As fêmeas chegam a maturidade sexual aos 4 anos enquanto os machos aos 5 anos, podem se reproduzir durante todo o ano. Geralmente, o acasalamento dura de 2-3 dias. A gestação dura entorno de 7 meses e possui apenas 1 filhote. Após o nascimento da cria, o intervalo entre uma gestação e outra é entorno de 2-4 anos. A distinção entre fêmeas e machos não é fácil, pois o clitóris da fêmea é grande e visto de longe se assemelha a um pênis.

A alimentação pode variar conforme a escassez e disponibilidade do recurso, geralmente buscam frutas, sementes, folhas, insetos e ovos. Em épocas de poucas chuvas onde as árvores frutíferas não produzem e amadurecem os frutos, é possível ver os macacos alimentando-se de lagartas, terra com cupins e cascas de árvores em decomposição em tentativa de complementar os elementos energéticos, proteicos e sais minerais necessárias na sua alimentação.

Família de macacos-prego da espécie Ateles geoffroyi vellerosus. Foto: Marten_House / Shutterstock.ccom

O macaco-aranha pode ser encontrado nas florestas ao sul do México até a região central do Brasil. Conforme a espécie podem apresentar variações no comprimento, densidade e na tonalidade da pelagem, variando entre branco, castanho, ruivo, cinza e preto.

A vocalização varia em 12 sons emitidos de forma e frequências diferentes para passar informações diferenciadas ao grupo. Quando se sentem ameaçados, principalmente quando avistam o homem, emitem sons semelhantes a latidos de cachorros e podem arremessar galhos no chão. Ao se perderem de outros indivíduos do bando, emitem sons parecidos com relinchos de cavalos.

Seus predadores são a onça-pintada e o homem. Este último os caçam de forma direta ou indireta, seja para alimentar-se de sua carne, aprisionar filhotes para o tráfico de animais, a destruição de seu habitat e a utilização destes animais em laboratório, principalmente em pesquisas sobre a malária, pois apresentam fragilidade para tal doença. Como os indivíduos do bando dormem sempre muito próximos uns dos outros, é comum o caçador dizimar um bando inteiro de uma só vez.

Bibliografia:

POUGH, F.H; JANIS, C.M; HAISHER, J.B. A vida dos Vertebrados. Editora Atheneu, 4ª edição, São Paulo, 2006.

SOARES, P.C. Comportamento e dieta de um grupo de macacos-aranha-da-cara-branca, Ateles marginatus (É.Geoffroy, 1809), no Sul da Amazônia. Dissertação de mestrado da Universidade Federal do Pará, 2014.

Arquivado em: Mamíferos