Remediação de áreas contaminadas

Mestre em Ecologia (UERJ, 2016)
Graduada em Ciências Biológicas (UFF, 2013)

Segundo definição do Ministério do Meio Ambiente (MMA) “entende-se por área contaminada como sendo área, terreno, local, instalação, edificação ou benfeitoria que contenha quantidades ou concentrações de quaisquer substâncias ou resíduos em condições que causem ou possam causar danos à saúde humana, ao meio ambiente ou a outro bem a proteger, que nela tenham sido depositados, acumulados, armazenados, enterrados ou infiltrados de forma planejada, acidental ou até mesmo natural.”

No Brasil, as primeiras áreas contaminadas foram reconhecidas em meados da década de 1980. Áreas contaminadas como, por exemplo, lixões e aterros sanitários em processo de encerramento, podem causar riscos à saúde humana, contaminar o solo e a água e desvalorizar financeiramente os imóveis vizinhos. A remediação visa ao objetivo de remoção da fonte de contaminação, a redução de contaminação do solo e da água subterrânea para níveis aceitáveis ambientalmente, a redução de riscos ambientais ou de exposição de trabalhadores e usuários do local e do recurso. A identificação de uma área contaminada é um processo que envolve algumas etapas importantes que devem ser estudadas minuciosamente a fim de definir qual será a melhor forma de remediar aquela determinada área. A tecnologia de remediação adotada para a descontaminação de uma determinada área deve levar em consideração as características intrínsecas de cada área contaminada ─ conhecimento do cenário local, da extensão da contaminação e se as vias de contaminação ainda existem ─ além de atender a legislação ambiental vigente, sendo compatível ao risco que a contaminação apresenta. Este processo envolve uma avaliação preliminar, investigação confirmatória e detalhada, avaliação de risco e definição de quais tecnologias de remediação utilizar para reabilitação da área, até as concentrações das substâncias detectadas atingirem níveis aceitáveis para uso pretendido futuro.

Fonte de água contaminada com óleo. Foto: Kay_MoTec / Shutterstock.com

A remediação de uma área contaminada por ser feita com técnicas in situ, ex situ, ou utilizando as duas ao mesmo tempo. A remediação in situ, ou seja, quando as técnicas são empregadas no local onde ocorreu a contaminação, apresenta custos baixos e não provocam contaminações secundárias. Por outro lado, a remediação ex situ, devido à necessidade do transporte do material contaminado até o local de tratamento, é mais custosa e ainda existe o risco de haver algum tipo de contaminação secundária. As técnicas utilizam diferentes tipos de tratamento como, o biológico, o térmico, químico e o físico-químico. A seguir estão alguns exemplos de tipos de técnicas utilizadas na remediação de áreas contaminadas.

  • Técnicas in situ: sistema de bombeamento (pump and treat); Sistema de Extração de vapores (soil vapor extraction); Sistema de Extração Multifásica; Processos Oxidativos Avançados; Barreiras Reativas, Barreiras Hidráulicas e Biorremediação.
  • Técnicas de remediações ex situ: escavação, remoção e tratamento com destinação final adequada, as quais podem ser: Aterro (local destinado à decomposição final de resíduos sólidos gerados pelas atividades humanas); Coprocessamento (utilização de fornos de cimento com o aproveitamento da energia contida nos resíduos); Unidade de dessorção térmica (trata os solos contaminados com hidrocarbonetos não recicláveis usando energia térmica para separar fisicamente compostos voláteis do solo); Biopilhas (utilizadas para reduzir concentrações de hidrocarbonetos de petróleo presentes no solo através da biodegradação).

Referências Bibliográficas:

Sánchez, L. E. Revitalização de áreas contaminadas. In: Moeri, E.; Coelho, R.; Marker, A.
(orgs.), Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas: Aspectos Técnicos, Legais e Financeiros. 2004. São Paulo, Signus Editora: 79-90 p.

AMBIENTAL GEOLOGIA. Remediação. http://www.ambientalgeologia.com.br/serv_remediacao.php

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Áreas Contaminadas. < http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/residuos-perigosos/areas-contaminadas>

Arquivado em: Meio Ambiente