Acrossemia

Graduação em Letras Português e Inglês (Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2010)

A Acrossemia é a redução de palavras por meio de suas iniciais, é a diminuição de expressões a siglas. Os casos mais comuns de Acrossemia se apresentam em partidos políticos, nomes de universidades dentre outros usos. Por exemplo:

  • SA – Sociedade Anônima
  • CADE – Conselho Administrativo de Defesa Econômica
  • CAN – Correio Aéreo Nacional
  • PT – Partido dos trabalhadores.
  • MDB – Movimento Democrático Brasileiro
  • UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina.
  • NSJC - Nosso Senhor Jesus Cristo
  • DCA - Defesa Contra Aeronaves
  • Petrobrás – Petróleo Brasileiro
  • Arena – Aliança Renovadora Nacional
  • IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
  • INEP – Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos
  • MEC – Ministério da Educação e Cultura
  • OEA – Organização dos Estados Americanos
  • ONU – Organização das Nações Unidas
  • VASP – Viação Aérea São Paulo

Uma vez criada, a sigla passa a ser sentida como uma palavra primitiva, passa a ter valor e autonomia de palavra, capaz de formar derivados como arenista, petista, emedebista, etc. Em alguns casos, assumem outros valores conotativos, fazendo com que se tornem homônimos, como é o caso de CEU – Clube dos Estudantes Universitários, que pode ser associado ao espaço infinito onde se movem os astros, o paraíso.

Assim como na Braquissemia, a acrossemia também é criada de acordo com a combinação de sílabas. Como por exemplo:

  • Tassiane = Tasso + Liliane
  • Mazé = Maria José
  • Claralate = Santa Clara + chocolate

Em alguns casos, a acrossemia substitui definitivamente a expressão que designa. Como é o caso da palavra radar, que significa Radio detected and ranging. Já as iniciais de very important person – VIP - já são mais conhecidas.

Segundo Cunha, o ritmo acelerado em que vivemos nos dias atuais, pede uma elocução mais rápida e o encurtamento de palavras evolui na mesma medida com tal rapidez.

Referência Bibliográfica:

CUNHA, Celso. Gramática do Português Contemporâneo. Belo Horizonte: Bernardo Álvares S. A., 6a ed.1976. 509p.

Arquivado em: Português