Mulheres na química

Graduação em Química (Centro Universitário Franciscano, UNIFRA, 2014)

As mulheres ao longo do tempo ocuparam poucos lugares de destaque no que tange as Ciências em geral bem como outras tantas áreas. Isso certamente ocorreu devido à processos culturais que muitas vezes não concedia espaço para as mesmas atingirem as escolas e Universidades. Felizmente isso tem mudado nos últimos tempos e hoje oitenta e dois por cento dos artigos científicos são assinados por mulheres.

Porém mesmo com todas essas dificuldades algumas mulheres foram extremamente notórias e iremos destacá-las a seguir, primeiro com um panorama geral das Ciências e por fim terminando com as principais figuras da Química.

A primeira mulher citada como cientista que temos registro é a matemática grega Hipácia. Após ela temos registro de outra mulher na área das Ciências apenas após o século XVIII. A partir de 1901 o indicador de destaque na Ciência passou a ser o Prêmio Nobel e no hall de laureados desta área de um total de 540 apenas 16 são mulheres. Duas mulheres receberam o Nobel de Física, quatro em Química e 10 na área de Medicina e Fisiologia.

A química e física polonesa Marie Sklodowska Curie certamente é a mulher de maior destaque na área da Química pela sua imprescindível atuação descobrindo elementos químicos (Rádio e Polônio) e por estudos da radioatividade. Ela foi agraciada com dois prêmios Nobel de Ciência (em Física e Química) fato que era inédito inclusive entre os homens e que perdurou por 62 anos. O Nobel de Física foi concedido a ela em 1903 juntamente com seu marido Pierre Curie e Henri Becquerel, e em 1911 o Nobel de Química. A filha do casal Curie também era uma química renomada e em 1935 também foi agraciada com o Prêmio Nobel de Química. Após isso mais duas cientistas foram laureadas com o prêmio Nobel de Química, em 1964 foi a vez de Dorothy Hodgkin devido ao seu estudo estrutural da penicilina e da vitamina B12. Já em 2009 o prêmio foi para a Ada Yonath a partir do estudo da estrutura dos ribossomos, componentes celulares.

A participação das mulheres nas Ciências ainda é bem menor em relação aos homens, porém podemos perceber nos últimos tempos um crescimento nesses números e uma maior aceitação das mesmas na área de pesquisa e extensão. Muito ainda pode ser mudado, porém muitas mulheres certamente foram cruciais para que a Química esteja no patamar atual.

Arquivado em: Química