Tartaruga-cabeçuda

Conhecida como tartaruga-cabeçuda, tartaruga-amarela ou tartaruga-meio-pente, esta tartaruga da espécie Caretta carettacomo indica seu nome vulgar se difere das outras devido a morfologia de sua cabeça que é desproporcionalmente grande em relação ao seu comprimento total.

Sua carapaça possui cinco placas laterais, sendo que estas são justapostas, sua coloração é marrom-amarelada e seu ventre amarelo claro; sua cabeça possui dois pares de placas ou escudos pré-frontais e três pares pós-orbitais. No Brasil, a carapaça das fêmeas que são adultas tem a medida curvilínea de 102,8 cm de comprimento e seu peso pode variar de 100 a 180 kg.

Esta espécie ocorre nos mares tropicais, subtropicais e em águas temperadas. A área de desova compreende entre o litoral norte do Rio de Janeiro até o litoral norte do Sergipe.

Em seus primeiros anos de vida se alimentam em associação com bancos de sargassum em áreas pelágicas; anos mais tarde migram para áreas mais rasas, a partir dos 40-50 cm de casco, alimentando-se de organismos bentônicos. Já juvenis e adultos se alimentam de crustáceos, principalmente de camarões, siris e caranguejos, além de moluscos, águas-vivas e ovos de peixe - durante seus deslocamentos migratórios são bastante oportunistas. Encalhes desta espécie são raros no Brasil com exceção ao Sul.

A cada desova são depositador em média 120 ovos por ninho, sendo que o tempo de incubação dos ovos desta espécie é de aproximadamente 50 a 60 dias, após este período os filhotes eclodem, normalmente à noite indo rapidamente em direção ao mar. Esta é a espécie com maior índice de desovas em praias continentais brasileiras.

O aumento das atividades pesqueiras desde de 2001 tem sido considerado a principal ameaça para a população desta espécie, assim como o impacto humano tem sido reconhecido há décadas, fatores ligados ao desenvolvimento costeiro desordenado causam impacto negativo nas populações de tartarugas marinhas. As tartarugas marinhas são vulneráveis às alterações climáticas devido ao papel que a temperatura desempenha na determinação do sexo dos embriões - com o aumento da temperatura na ordem de 2 ° C pode causar a feminização de toda uma população.

Esta espécie é protegida totalmente por instrumentos legais nacionais, no qual proíbe qualquer uso direto assim como também protege as áreas de desova. Medidas como monitoração das áreas de desova, investimentos em pesquisas para ao longo prazo para avaliar as tendências das populações, marcação de adultos e juvenis, para determinação das áreas de uso e deslocamento e biologia reprodutiva, também são realizadas para que a conservação desta espécie ocorra com sucesso.

Fonte:
LOPES, L. F. L.; MIRANDA, B. S.; ROSSI, S.; REIS, E. F.; RODRIGUES, D. P.; WERNECK, M. R.; BECKER, J. H.; MATUSHIMA, E. R. Presença de Salmonella spp. em tartarugas marinhas e as conseqüências para o manejo em cativeiro e reintrodução In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE VETERINÁRIO DE ANIMAIS SELVAGENS, 26., 2007, São Paulo. Anais... São Paulo: [s.n.], 2007.

Marcovaldi, M.A. & Chaloupka, M. Conservation status of the loggerhead sea turtle in Brazil: an encouraging outlook. Endangered Species Research, 3: 133-143.

WERNECK, M. R.; BAPTISTOTTE, C. Reabilitação de tartarugas marinhas na Base de Ubatuba do Projeto TAMAR-IBAMA. In: CONGRESSO, 6., E ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE VETERINÁRIOS DE ANIMAIS SELVAGENS, 11. 2002. Guarapari. Anais..., Espírito Santo: ABRAVAS, 2002, p.73.

http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/biodiversidade/fauna-brasileira/livro-vermelho/volumeII/Repteis.pdf

Arquivado em: Répteis