Dexametasona e o Coronavirus

Mestre em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas (FIOCRUZ, 2011)
Graduada em Biologia (UGF-RJ, 1993)

Ouça este artigo:

O medicamento dexametasona é uma versão sintética dos hormônios produzidos pelas glândulas suprarrenais, que se localizam perto dos rins. Pertence à classe dos corticosteroides (também conhecidos como corticoides ou esteroides). É um anti-inflamatório e em doses altas, atua como imunossupressor (reduz a defesa orgânica do organismo). É utilizado para tratamento de doenças reumatológicas, distúrbios na pele, problemas oculares, glandulares, pulmonares, gastrointestinais, neurológicos, transplantes e tumores. O medicamento impede a liberação de substâncias que irão produzir respostas imunológicas e alérgicas, controlando assim o excesso de inflamação. O remédio atua reduzindo a circulação dos glóbulos brancos (leucócitos - relacionados às defesas do organismo). Depois é metabolizando pelo fígado e excretado pela via renal. É encontrado em várias apresentações e o seu efeito no organismo inicia a partir de 10 minutos dependendo da apresentação e da dose utilizada.

Coronavírus

Cientificamente conhecido como SARS-CoV-2, é a agente causador da covid-19, também conhecida como a doença do novo coronavírus. O primeiro caso oficial de covid-19 foi um paciente hospitalizado em 12 de dezembro de 2019 em Wuhan, China.

A doença então, se espalhou rapidamente por todo o mundo o que fez a Organização Mundial de Saúde decretar a doença como sendo uma pandemia. Vários países decretaram medidas sanitárias de restrição de circulação (lockdown), uso obrigatório de máscaras e desinfecção das mãos e objetos com álcool (70%). O sintoma usual é a febre, seguido de tosse seca, cansaço, coriza, dor de garganta, lembrando em muitos aspectos um simples resfriado. Nem todos os pacientes infectados pelo vírus apresentam sintomas e desenvolvem a doença.

A transmissão ocorre através da dispersão das secreções de indivíduos contaminados e ocorre também por contato com superfícies e materiais infectados com o vírus. A forma de prevenção à doença inclui uso de máscaras, distanciamento social e utilização de álcool gel para assepsia das mãos e superfícies.

Dexametasona e o coronavirus

Existem evidências para a utilização da dexametasona como recurso terapêutico de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAGs), que é uma infecção aguda no trato respiratório e que demanda intervenção imediata. Estudos revelaram que a dexametasona é um importante aliado na terapêutica de pacientes graves com COVID-19.

O medicamento é recomendado para os pacientes de COVID-19 que estão em ventilação mecânica ou que necessitam de oxigênio fora da UTI. Em pacientes graves, o coronavírus desencadeia uma forte reação inflamatória que se não for controlada, pode levar o indivíduo a óbito. A dexametasona atua combatendo a inflamação, e aumentando a sobrevida destes pacientes. Ela não atua combatendo o vírus diretamente.

Um estudo publicado no Reino Unido indicou que o medicamento reduziu o risco de morte em 1/3 para pacientes que precisavam a utilizar ventilação mecânica. Em pacientes que só necessitavam de oxigênio, o risco de morte diminuiu em 1/5. Os pacientes recebiam a medicação via oral ou endovenosa. Em pacientes com casos mais leves da doença, que fizeram uso da dexametasona, houve aumento no número de mortes. Em casos mais leves, a dexametasona não é indicada.

Existem alguns efeitos colaterais que devem ser observados: em pacientes hipertensos ou diabéticos, o medicamento pode descompensar a pressão arterial e a insulina. Causa também retenção de líquidos em pacientes que fazem uso prolongado do medicamento.

Este medicamento não é a cura para a doença, mas uma ajuda valiosa para pacientes graves que não teriam condições de sobreviver. Nenhum medicamento deve ser tomado sem orientação médica, caso contrário poderá trazer graves prejuízos à saúde.

Bibliografia:

Dexametasona na Covid-19: Por que ela é a aposta para salvar vidas? Disponível em: https://www.sanarmed.com/por-que-a-dexametasona-e-aposta-para-salvar-vidas-da-covid-19 Acessado em: 09/11/2020.

Coronavírus: o que é a dexametasona e por que não pode ser tomada sem indicação médica. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/bbc/2020/06/18/interna_internacional,1157496/coronavirus-o-que-e-a-dexametasona-e-por-que-nao-pode-ser-tomada-sem.shtml Acessado em 09/11/2020.

Pesquisadores de Oxford dizem que a dexametasona diminui risco de morte em pacientes de covid-19. https://setorsaude.com.br/pesquisadores-oxford-dizem-que-o-dexametasona-reduz-mortes-em-pacientes-graves-de-covid-19/ Acessado em 11/11/2020.

Potente e rápida, dexametasona combate inflamação, mas requer uso cauteloso. Disponível em: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/05/26/potente-e-rapida-a-dexametasona-combate-inflamacao-mas-requer-cautela.htm Acessado em: 09/11/2020.

Uso e efeitos colaterais da dexametaosna no tratamento da covid-19. Disponível em: http://saudedebate.com.br/noticias/uso-e-efeitos-colaterais-da-dexametasona-no-tratamento-da-covid-19 Acessado em 09/11/2020.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Farmacologia, Saúde