Pica-pau

Por Thais Pacievitch
O pica-pau é uma ave de pequeno porte, da família Picidae, da qual existem por volta de 179 espécies espalhadas pelo mundo.

Distribuídas por todo o Brasil, existem 42 espécies de várias cores, tamanhos e que emitem diferentes sons. Esses sons são na verdade gritos, pois o pica-pau não canta.

A principal característica do pica-pau é seu bico muito duro, comprido, reto e pontiagudo, um verdadeiro martelo, que torna possível sua alimentação. Alimenta-se principalmente de larvas que vivem e destroem o interior das árvores e de insetos que encontra na casca dos troncos, ou seja, o pica-pau tem papel fundamental no controle dos insetos e larvas que poderiam infestar outras árvores. Algumas espécies alimentam-se também de frutas, formigas e larvas de abelhas, cupins e vespas, que obtém destruindo seus ninhos.

Biólogos e ornitólogos acreditam que o pica-pau sabe onde martelar, onde estão larvas ou insetos através de sua grande capacidade auditiva, ou seja, ele é capaz de ouvir, segundo esses profissionais, o barulho de suas vítimas em potencial.

Para capturar sua presa no interior das árvores, o pica-pau “martela” o tronco com o bico, abrindo pequenos buracos e os explorando com sua longa língua cilíndrica, pegajosa, de ponta afilada e flexível. Sua língua pode chegar a ser cinco vezes maior que seu bico. Chegam a dar 100 batidas por minuto. Por isso, o músculo do pescoço dos pica-paus é muito forte. Para protegê-los de toda essa vibração, seu crânio tem uma espessura maior que das demais aves. Para se manter na posição vertical, o pica-pau tem os pés muito fortes.

Essa ave é solitária, sendo que só são sociáveis na época da reprodução, quando o macho atrai a fêmea dando fortes pancadas nos troncos. O casal formado constrói o ninho, de preferência em árvores altas (para se proteger de predadores) e mortas (por ser mais fácil fazer o buraco para o ninho). Muito inteligente, o pica-pau cava o buraco para o ninho de baixo para cima, formando um corredor ascendente, para proteger o ninho de chuvas e ventos.

Cada ninhada tem em média 3 pequenos ovos brancos. Macho e fêmea chocam os ovos intercaladamente, sendo que o macho ajuda a fêmea com a alimentação dos filhotes, após o nascimento dos mesmos.

Os filhotes são cegos e pelados ao nascerem, e, antes mesmo de enxergaram, já brincam de bater o bico. Geralmente abandonam o ninho após cinco semanas.