Mitose

Por Jessica Lane
A mitose é o processo de reprodução celular que ocorre em grande parte das células durante parte do ciclo celular. Resumidamente, a mitose é o processo pelo qual uma célula diplóide dá origem a duas outras células diplóides, idênticas à célula-mãe e entre si. Isso quer dizer que uma célula com certo número de cromossomos (no caso humano, seriam 46) originaria outras duas células idênticas a essa, e eventualmente, iguais entre si.

A mitose está dividida em 4 fases, mas antes de estudá-las é preciso conhecer o ciclo celular, que por sua vez, está dividido em duas fases.

Ciclo Celular

O ciclo celular é o conjunto de fenômenos que ocorre numa célula viva durante um período entre divisões dessa célula, ou seja, num período de reprodução a reprodução.

As fases do ciclo celular são:

1. Intérfase: A intérfase é o período de maior metabolismo celular, quando ocorre a síntese e a duplicação do DNA e de todas as outras substâncias e estruturas da célula. Está subdividida, respectivamente, em:

1.1. Período G1: é o período de produção de enzimas, proteínas e conseqüentemente, síntese de RNA. Nesse período a célula aumenta de tamanho.

1.2. Período S: período em que ocorre a síntese e produção do DNA.

1.3. Período G2: assemelha-se ao período G1, porém, neste período o DNA está duplicado.

2. Divisão Celular: É neste período em que ocorre a mitose, pois, todas as estruturas para uma nova célula já estão duplicadas. Lembrando que a divisão celular pode ocorrer também por meiose.

Abaixo seguem as fases da mitose:

1. Prófase:

Neste momento, a cromatina (DNA) que antes estava descondensada, começa a se condensar. Os centríolos (uma organela) vão afastando-se para os pólos criando fibras, chamadas Fibras do Fuso Acromático. A membrana nuclear desaparece junto com os nucléolos.

2. Metáfase:

A principal característica da metáfase é a disposição dos cromossomos (cromatina) bem no centro da célula, formando o que se chama de Placa Equatorial. Para tal disposição, os cromossomos condensam-se totalmente e unem-se às fibras do fuso por meio dos centrômeros, que seriam como o “meio do cromossomo”. É nessa fase que se dá o estudo do cariótipo.

3. Anáfase:

É a fase da separação. As fibras do fuso se encurtam em direção aos pólos levando consigo cromátides (partes) dos cromossomos, que passam a constituir um cromossomo independente cada. Lembre-se que, na mitose, uma célula diplóide com 6 cromossomos, por exemplo, vai originar outras duas células diplóides com 6 cromossomos cada uma. E é na anáfase que está o segredo: como uma célula de 6 cromossomos precisa originar 12 cromossomos, ela divide-se em partes durante a anáfase.

4. Telófase:

Com os cromossomos já nos pólos junto aos centríolos, a cromatina começa a se descondensar, ressurgem a membrana nuclear e os nucléolos, e a célula se divide. A divisão em si é chamada citocinese. A citocinese pode-se dar de duas formas, de acordo com a célula em questão: se for uma célula vegetal a citocinese é centrífuga; se for uma célula animal, a citocinese é centrípeta. Após a telófase, as células voltam à interfase.