Guerra Mundial

Por Antonio Gasparetto Junior
Guerra Mundial é um conflito capaz de afetar todos os países de alguma maneira. Nunca houve de fato uma guerra com envolvimento militar de todos os países, mas o envolvimento de países de preponderância no planeta gera conseqüências econômicas e políticas que afetam a ordem geral.

O conceito de “Guerra Mundial” é algo que carrega em si o estigma da contemporaneidade, a expressão é bem aplicada para os tempos de globalização. A humanidade já passou por inúmeras guerras, de pequena ou grande escala, desde a História Antiga até os dias atuais, mas os momentos da história humana determinaram a repercussão dos conflitos. É claro que toda guerra tem como consequência invariável os prejuízos humanos, econômicos, sociais e políticos, mas a dimensão que assumem está muito atrelada ao seu momento histórico.

Na antiguidade grandes guerras ocorreram, mas por causa de condições militares mais precárias, assim como a própria condição humana, eram restritas a uma região de menor amplitude. Mesmo assim, ainda no final de tal período os grandes impérios se desenvolveram de tal forma que marcaram suas características expansionistas conquistando vastos territórios. Na Idade Média, por causa da fragmentação do Império Romano, os conflitos ocorriam especialmente entre regiões. A grande empreitada desse período talvez sejam as Cruzadas promovidas pela Igreja Católica. O embate entre cristãos e muçulmanos gerou uma nova marca de conflitos na Idade Média, levando os homens a atravessarem enormes territórios para combater seus inimigos.

Na Idade Moderna as condições militares se tornaram mais aprimoradas e a chegada na América fez com que o centro das relações econômicas mundiais mudasse para o Oceano Atlântico. O armamento evolui e a capacidade do homem de cruzar os oceanos também. A globalização que tem início nesse momento da história da humanidade fez com que as guerras na contemporaneidade afetassem a todos.

Em todos esses momentos foi especialmente o continente europeu que apareceu em destaque na história. É claro que em todos os outros continentes havia populações fazendo guerras, assim como ciência e cultura, mas o caráter eurocêntrico da história da humanidade determinou que as circunstâncias geradas neste continente tivessem seus reflexos nas demais civilizações de alguma maneira.

Primeira Guerra Mundial

No final do século XIX e no começo do século XX a Europa vivia um momento identificado como Belle Époque, por causa da grande modernização que se dava. Entretanto um clima pesado por conta da tardia unificação da Itália e da Alemanha, que entraram na corrida imperialista por colônias, pairava sobre a Europa. A tensão que se cria rompe em 1914 uma guerra com implicações sem precedentes na história da humanidade. A Europa toda é envolvida ou sente as consequências diretamente do conflito, além de territórios espalhados por outros continentes que eram colonizados por países europeus. O conflito coloca um fim no grande desenvolvimento que vinha ocorrendo na Europa e só se encerra em 1918. Após a guerra deu-se o nome para o grandioso conflito de Primeira Guerra Mundial, por causa das implicações que o acontecimento gerou em todos os continentes.

Segunda Guerra Mundial

As consequências da guerra foram enormes e ainda deixaram no ar o ambiente tenso que permitiria outro confronto de escala global alguns anos depois, a Segunda Guerra Mundial. Em 1939 uma nova guerra eclode como fruto das questões e instabilidades mal resolvidas no conflito anterior. Mas dessa vez a abrangência da guerra é maior ainda, os continentes todos tem participação maior. Em 1945 a guerra acaba em decorrência de uma nova tecnologia que deixaria a humanidade em estado de tensão para sempre, as armas nucleares. A capacidade destrutiva de uma bomba atômica deixou claro que se um novo conflito de escopo mundial envolvendo armamentos de tal tipo acontecesse a vida humana estaria fadada a desaparecer da face da terra.

Esses dois eventos do século XX foram denominados após seus encerramentos de Primeira e Segunda Guerra Mundial. Após a finalização desta última se estabeleceu um novo confronto, a Guerra Fria. Esta deparava o bloco capitalista no mundo, sob liderança dos Estados Unidos, e o bloco socialista, sob liderança da União das Repúblicas Socialistas e Soviéticas (URSS). A denominação Guerra Fria se deu porque os dois principais vencedores da Segunda Guerra Mundial possuíam armamento muito aprimorado, que se colocados em prática poderia significar a destruição de ambos e de boa parte da humanidade, o que transferia a guerra de campos de batalha para conflitos ideológicos. Entretanto houve alguns conflitos em campo de batalha que tinham a participação ideológica dos Estados Unidos e da União Soviética.

Entre todos os conflitos existentes no decorrer da Guerra Fria (Guerra do Coréia, Revolução Húngara, Guerra de Suez e Guerra do Vietnã), o evento que chegou mais perto de gerar uma nova guerra mundial foi a Crise dos Mísseis de 1962. Na ocasião a União Soviética foi flagrada construindo silos nucleares em Cuba, na ilha da América Central ainda havia um conjunto de mísseis apontados para os Estados Unidos como retaliação pelos que foram implantados na Turquia apontados para a União Soviética. A situação causou grande instabilidade e tensão, uma vez que o armamento havia se aprimorado ainda mais e a possível eclosão de uma nova guerra mundial não perdoaria nenhum país.

Atualmente, após o fim da Guerra Fria, são as armas biológicas que causam medo à humanidade. Essas são capazes de dizimar grande quantidade de pessoas através de medidas simples. Mas a grande tensão existente atualmente se dá entre o mundo oriental e o ocidental. Acontece que a maior parte dos ataques gerados por orientais ocorre por atentados terroristas, o que é muito difícil de prever e pode acontecer em qualquer lugar do mundo e a qualquer momento. Mas países como Irã e Coréia do Norte insistem em construir seus armamentos nucleares e ampliar o quadro de tensão.