Poluição do Solo

Por Emerson Santiago
Poluição do solo é a atividade de introdução de organismos xenobióticos (do grego "xenos", estranho ou estrangeiro, e "bios", vida, formando "forma de vida estranha àquele ambiente") por meio químico, pela mão do homem, podendo ser também uma alteração do solo por ambiente em si, naturalmente.

Poluição do solo. Foto: Ana Vasileva / Shutterstock.com

Poluição do solo. Foto: Ana Vasileva / Shutterstock.com

A poluição deriva geralmente da ruptura de tanques sépticos, da introdução de pesticidas, infiltração de água contaminada através do solo, despejo de óleo e combustíveis, locais inapropriados de despejo de lixo, agrotóxicos, etc. Os componentes geralmente envolvidos em contaminação do solo são hidrocarbonetos, solventes, pesticidas, chumbo e demais metais pesados.

A preocupação com a contaminação do solo deriva necessariamente dos riscos que proporciona à saúde e manutenção de todo organismo vivente na área, bem como o possível contato humano diretamente com o meio, com os vapores do agente contaminante e contaminação dos caminhos e lençóis de água presentes naquela área. Em várias ocasiões o ser humano está à mercê de um contato com a poluição infiltrada no solo, permitindo a propagação de doenças.

O registro e mapeamento de áreas contaminadas e sua consequente recuperação demandam uma boa quantidade de tempo e trabalho, dependendo de estudos profundos de geologia, hidrologia, química e simulação computadorizada.

Um atual desafio relacionado ao tema é o dos pesticidas utilizados nas lavouras para a eliminação de pragas. Com o constante aumento da população e ocupação de áreas cada vez mais próximas a regiões de cultivo, torna-se questão de suma importância o equacionamento da utilização racional de materiais agrotóxicos e a consquente manutenção de um solo livre de poluentes e agentes tóxicos, que, fatalmente, entrarão em contato com o ser humano. Temos como principais pesticidas os inseticidas, utilizado no combate a insetos vetores de doenças contagiosas; a seguir temos os herbicidas, utilizados na destruição de vegetação e ervas daninhas bem como espécies parasitárias, e finalmente, os fungicidas, atuantes no combate a fungos que ameacem o desenvolvimento da cultura a ser desenvolvida.

Importante lembrar que o grau de concentração de cada agente danoso à saúde dos organismos vivos é um ponto importante na contaminação do solo. A presença dos agentes contaminantes em determinado solo reflete de forma direta na presença de vida naquela área, ocasionando sua degradação, redução do número de espécies presentes no terreno e a acumulação de agentes tóxicos na vegetação. Assim, indiretamente, por meio da cadeia trófica, a ocorrência de um solo com agentes contaminadores pode assumir um aspecto bastante relevante, pois tais agentes, absorvidos e acumulados pela vegetação serão transmitidos à fauna em doses muito superiores às que estes teriam por contato direto com o solo.

Leia também:

Bibliografia:
http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/solo.htm