Flora Normal

Por Fabiana Santos Gonçalves
Nosso corpo é habitado por milhares de micro-organismos que, quando são inofensivos, são chamados de flora normal ou microbiota normal.

A formação desta flora ocorre no momento do nascimento ao passar pelo canal do parto e continua por toda a vida, distribuindo-se pelas partes do corpo que estão em contato com o meio externo, que são pele e mucosas.

O número e as espécies que formam a flora microbiana normal variam de acordo com a região do corpo e com a idade do hospedeiro, e às vezes o sexo do hospedeiro. Porém algumas regiões do corpo estão livres de microorganismos como o sangue, bexiga, útero, ouvido médio, rins, seios paranasais, trompas e fluido cerebroespinhal.

Quando os membros da flora normal são encontrados regularmente em um dado local ou idade determinada do hospedeiro, eles podem ser considerados como flora residente.

Quando outros microorganismos permanecem por um curto período de tempo, como horas, dias ou semanas e, então desaparecem sem causar danos à flora normal, recebem o nome de flora transitória. Caso haja alteração flora normal, como diminuição da quantidade, os membros da flora transitória podem se reproduzir, colonizar e causar doenças no hospedeiro.

Efeitos Benéficos e Nocivos da Flora Normal

A maioria dos microorganismos da flora normal são bactérias, mas também podem ser encontrados fungos e protozoários.

A relação que tais microorganismos estabelecem com o hospedeiro é chamado de comensalismo: beneficiam-se da relação e não causam danos. Outros estabelecem a relação de mutualismo: os dois se beneficiam da relação. Mas também existem os patógenos oportunistas, que causam infecções caso haja lesões nos tecidos onde residem ou a resistência do corpo a infecções diminui.

Bactérias como lactobacilos, estreptococos láticos e bifidobactérias colaboram para o bem estar do homem através de vários mecanismos, como aumento da resistência à colonização, produção de vitaminas, implementação de defesas, etc.

As enterobactérias e os enterococos podem, ao mesmo tempo, apresentar atividades benéficas e nocivas, favorecendo o aumento das defesas imunológicas, mas também podem causar infecções extraintestinais. Os clostrídios, por exemplo, causam apenas danos ao hospedeiro.

Efeitos de agentes antimicrobianos sobre a flora normal

Estudos realizados comprovam que a flora normal defende o hospedeiro contra patógenos em potencial. Em testes feitos na pele, por exemplo, cientistas aplicaram agentes antimicrobianos que suprimem a colonização por bactérias gram positivas e permitem o crescimento de bacilos gram negativos e outros patógenos oportunistas resistentes ao antimicrobiano.

Características dos organismos da flora normal

Várias espécies de microorganismos da flora normal têm a capacidade de aderir a superfície do tecido epitelial do hospedeiro, adquirindo uma vantagem seletiva sobre os microorganismos não aderidos na colonização do hospedeiro. O modo de aderência depende de cada espécie de microorganismo.

A descamação é a remoção das células epiteliais das superfícies corpóreas e substituição das células perdidas por células novas. Esse processo pode prejudicar a aderência microbiana. Porém alguns microorganismos da flora normal têm a capacidade de se ligar firmemente à camada epitelial nova, persistindo nesses locais.

Produção de substâncias antimicrobianas

Alguns microorganismos da flora normal produzem metabólitos que podem inibir outros microorganismos, como por exemplo, cepas de estafilococos da pele que produzem antibiótico que inibe uma grande variedade de bactérias.

Leia também:

Referências:
Luiz Rachid Trabulsi e Flavio Alterthum. Microbiologia, São Paulo: Atheneu, 2008.
Chan, E. C. S. Krieg, Noel R. Pelczar Jr. Microbiologia. Pearson, São Paulo, 1997.