Raiz

Por Marilia Araujo
A raiz é imprescindível à planta, haja vista que além de fixar ela absorve do solo os nutrientes necessários à sobrevivência do vegetal. Porém há outra função importante que é fazer reserva de nutrientes, como no caso dos tubérculos.

Nos vegetais sem sementes (as pteridófitas) as raízes se desenvolvem ainda nos primeiros estágios do crescimento do esporófito. Já nos vegetais com sementes (as espermatófitas) as raízes tem origem ainda no embrião. Neste último caso, a radícula é o primeiro órgão a se desenvolver no instante em que há a germinação da semente. Porém esta radícula trilha caminhos diferentes quando trata-se de Monocotiledôneas e Dicotiledôneas.

Lembrando que o grupo dos vegetais que apresentam flores pode ter um ou mais cotilédones no embrião (semente). Se possui um cotilédone denomina-se Monocotiledônea, se possui mais de um denomina-se “Dicotiledônea”. A radícula se degenera e todas as raízes brotam a partir da base do caule no caso das Monocotiledôneas, já nas Dicotiledôneas a radícula se torna a raiz principal, da qual o sistema radicular se deriva.

Podemos classificá-las basicamente quanto ao habitat: Subterrâneas, Aéreas e Aquáticas.

Raízes Subterrâneas

São raízes que ficam sob o solo e possuem várias formas, permitindo assim uma sub-classificação: axial ou pivotante, ramificada, fasciculada e tuberosa.

- Raiz Axial ou Pivotante

Neste tipo de raiz subterrânea, típica das dicotiledôneas, é possível detectar com clareza uma raiz principal distinta das raízes secundárias, como na ilustração abaixo:

Raiz Axial ou Pivotante

Raiz Axial ou Pivotante

- Raiz Ramificada

No tipo de raiz subterrânea ramificada não é possível detectar tão facilmente a raiz principal das outras raízes. Pois como já diz o próprio nome há uma ramificação secundária, terciária e assim sucessivamente, sempre a partir da raiz primária. Veja na figura abaixo:

Raiz Ramificada

Raiz Ramificada

- Raiz Fasciculada

Neste caso é impossível distinguir a raiz principal das demais raízes.

Raiz Fasciculada

Raiz Fasciculada

- Raiz Tuberosa

A principal característica deste tipo de raiz é o acúmulo de reservas de nutrientes, sendo muito utilizada na nossa alimentação. Um exemplo clássico é a cenoura.

Cenoura

Cenoura

Raízes Aéreas

Essas raízes são visíveis, pois ficam sempre acima do solo. Há sub-grupos dessas raízes, são: estranguladoras, grampiformes ou aderentes, respiratórias ou pneumatóforos, suporte, sugadoras e tabulares ou sapopemas.

- Raiz Estranguladora

São raízes que, de certa forma, “abraçam” outro vegetal. Na maioria dos casos onde isto ocorre há a morte do hospedeiro.

- Raiz Grampiforme ou Aderente

Essas raízes são responsáveis por fixar a planta trepadora à um suporte. Veja na figura abaixo:

Raiz Grampiforme ou Aderente

Raiz Grampiforme ou Aderente

- Raiz Respiratória ou Pneumatóforo

Esse tipo de raiz é responsável por auxiliar a respiração do vegetal, como já diz seu nome.

Raiz Respiratoria ou Pneumatóforo

Raiz Respiratoria ou Pneumatóforo

- Raiz Suporte

Esta raiz auxilia no suporte do vegetal. É comum encontrarmos este tipo de raiz nos manguezais.

Raiz Suporte

Raiz Suporte

- Raiz Sugadora

Este tipo de raiz adentra o corpo da planta hospedeira, de maneira a absorver todo ou parte do alimento do vegetal.

Raiz Sugadora

Raiz Sugadora

- Raiz Tubular ou Sapopema

São raízes grandes, bem desenvolvidas, que conferem estabilidade para planta.

Raiz Tubular ou Sapopema

Raiz Tubular ou Sapopema

Raízes Aquáticas

Como o próprio nome já traduz, esta raiz se desenvolve em plantas aquáticas. Diferindo das raízes subterrâneas, a função deste tipo de raiz não é fixar, mas apenas absorver os nutrientes flutuantes presentes na água.

Bibliografia:

VIDAL, Waldomiro Nunes & VIDAL, Maria Rosária Rodrigues (1990). Botânica organográfica: quadros sinóticos ilustrados de fanerógamos. (3 ed.). Viçosa: Universidade Federal de Viçosa.

PETER H. RAVEN; RAY F. EVERT; SUSAN E. EICHHORN. (2007). Biologia Vegetal (7 ed.). Editora Guanabara Koogan.

http://marilia-araujo.blogspot.com/2009/08/botanica-parte-1.html
http://www.portalbiologia.com.br/biologia/principal/conteudo.asp?id=6335
http://web.rcts.pt/~pr1305/plantas_partes.htm