Funções da palavra QUE

Por Ana Paula de Araújo
A palavra QUE tem muitas possibilidades de uso, e por isso mesmo pode causar algumas dúvidas sobre a sua regência, concordância, significado, etc. Veremos abaixo as principais funções desta palavra:

SUBSTANTIVO

Nestes casos admite o acompanhamento de um artigo indefinido (um), e pede uma preposição (de), além disso, deve ser acentuado (quê).

Exemplo: Este texto tem um quê de romance... nem parece um texto modernista.

PRONOME ADJETIVO

Como pronome, o QUE poderá ser interrogativo, exclamativo ou indefinido.

Exemplos:

  • Que horas são? (interrogativo)
  • Que delícia de jantar! (exclamativo)
  • Que palavras duras você usou! 

PRONOME RELATIVO

Neste caso dizemos que é um dêitico, pois serve para recuperar termos que estão citados antes dele, fazendo-lhes referência.

Exemplo: O livro que você me deu é muito bom!

PRONOME INTERROGATIVO

Considera-se nesse caso, também como pronome indefinido. É encontrado o início frases interrogativas.

Exemplo: Que aconteceu com o aniversariante?

PREPOSIÇÃO

Até pouco tempo atrás era considerado coloquialismo, mas já é aceito pela gramática. O “Que” é utilizado aqui para substituir o “de” após o verbo “ter”.

Exemplo: Teremos que sair mais cedo hoje.

ADVÉRBIO DE MODO

O “que” pode também substituir o “como”.

Que roupa mal costurada era aquela!

(Como aquela roupa era mal costurada!)

ADVÉRBIO DE INTENSIDADE

Como a própria denominação diz, serve para intensificar o termo ao qual se refere.

Exemplo: Que enganados andam os homens!

PARTÍCULA EXPLETIVA

Neste caso não tem função na oração, serve apenas para realçar determinado termo.

Exemplo: Há muito tempo que não vou à minha cidade natal.

INTERJEIÇÃO

Exemplo: Quê! Não acredito que vai custar tudo isso!

PARTÍCULA ITERATIVA

É quando o “que” é repetido para dar ênfase ou realce à frase.

Exemplo: Oh! Que lindos que são esses cachorrinhos!

CONJUNÇÃO COORDENATIVA

a)    ADITIVA

Exemplo: Mexe que mexe e não encontra nada!

b)    ALTERNATIVA

Exemplo: Que aceitem ou que não aceitem, eu vou falar mesmo assim.

c)    ADVERSATIVA

Exemplo: Pode falar à vontade que não vai fazer efeito!

d)    EXPLICATIVA

Exemplo: Vocês precisam escutar, que é muito importante.

CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA

a)    INTEGRANTE – aparece no início de uma oração subordinada substantiva e não tem função sintática.

Exemplo: Falou que não iria, mas acabou indo.

b)    COMPARATIVA – aparece no início de uma oração subordinada adverbial comparativa.

Exemplo: Não há maior prova de amor que doar a vida pelo irmão.

c)    CAUSAL - aparece no início de uma oração subordinada adverbial causal.

Exemplo: Tenho que tomar cuidado, que esse chão é muito escorregadio.

d)    CONCESSIVA – expressa uma concessão, uma exceção à regra.

Exemplo: Gosto de goiabas, verdes que estejam.

e)    CONSECUTIVA – expressa uma conseqüência do que acabou de ser afirmado.

Exemplo: É tão pequeno que não alcança a geladeira.