Jacaré

Jacaré é o nome comum dado aos animais da classe Reptilia, Ordem Crocodylia e família Alligatoridae. Como todos os répteis, são ectotérmicos e possuem o corpo coberto por escamas. Habitam rios, lagos e pântanos. São excelentes nadadores, permanecendo com as patas próximas ao corpo enquanto ondulam lateralmente o corpo e a cauda para se locomover. Em terra também são muito rápidos, andando com a barriga levantada e as patas sob o corpo. Podem chegar a 6,5 m de comprimento e viver de 80 a 100 anos. Em comparação com os crocodilos, possuem a cabeça mais curta e focinho mais largo e apenas os dentes superiores ficam visíveis com a boca fechada.

Jacaré. Foto: U.S. Fish and Wildlife Service [Public domain], via Wikimedia Commons

Jacaré. Foto: U.S. Fish and Wildlife Service [Public domain], via Wikimedia Commons

Os jacarés fazem seus ninhos em montes de restos de folhagens e gravetos próximos a corpos d’água. O habitat e a disponibilidade de material determinarão o tamanho e a composição dos ninhos que são aquecidos pela radiação solar e pela decomposição da vegetação. A temperatura em que os ovos são incubados irá determinar o sexo dos filhotes. O número de ovos é afetado pelo tamanho das fêmeas, idade, estado nutricional e genética, e gira em torno de 20 a 40 ovos por ninho. Os ovos eclodem com cerca de 70 dias e no começo do ano, junto com a subida das águas.

Diferente dos outros répteis, o coração dos Crocodylia é dividido em quatro câmaras e possui um sistema de desvio de sangue (Forâme de Panizza) que atua de acordo com a atividade que o animal está exercendo. Quando o jacaré está em repouso, o sangue não oxigenado flui do ventrículo direito para o arco aórtico esquerdo e vai em direção às vísceras. Já quando está ativo e os músculos precisam de mais oxigênio, o sangue flui do arco aórtico direito para o esquerdo e a válvula ventricular se fecha impedindo a entrada de sangue sem oxigênio. Assim, durante a atividade, ambos os arcos aórticos recebem sangue oxigenado. O coração desses animais é ainda capaz de realizar um terceiro padrão de fluxo sanguíneo quando o jacaré está em apneia. Nesse caso, um volume considerável de sangue sem oxigênio se mistura ao sangue rico em oxigênio e é enviado novamente para o corpo sem passar pelos pulmões. Essa é uma das principais adaptações desses animais à vida aquática.

A família Alligatoridae está dividida em quatro gêneros:

  • Alligator: Possui duas espécies, o Jacaré-americano (Alligator mississippiensis) e o Jacaré-da-china (Alligator sinensis).
  • Caiman: Inclui as espécies Jacaré-de-óculos (Caiman crocodilus), Jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris) e Jacaré-do-pantanal (Caiman yacare).O Jacaré-de-papo-amarelo é um dos jacarés mais comuns no Brasil. Possui em torno de 3 metros de comprimento e o ventre é amarelo. É encontrado do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte. Ocorre também na bacia do rio Paraná, chegando até o Pantanal. Alimenta-se de peixes, caranguejos, caramujos e insetos. O Jacaré-do-pantanal habita lagoas, rios e brejos principalmente do Pantanal. Alimenta-se de peixes e insetos.
  • Melanosuchus: Possui apenas a espécie Jacaré-açu (Melanosuchus niger). Pode medir 6m de comprimento. Espécie exclusiva da América do Sul, sendo encontrado em toda a bacia amazônica, incluindo Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Peru e algumas áreas da Guiana e Guiana Francesa. Alimentam-se de diversos animais, como tartarugas, peixes, capivaras e veados.
  • Paleosuchus: Inclui as espécies Jacaré-anão (Paleosuchus palpebrosus) e Jacaré-coroa (Paleosuchus trigonatus). O Jacaré-anão é considerado um dos menores crocodilianos do mundo, com tamanho máximo de 150 cm de comprimento. Tem distribuição em dez países da América do Sul, e no Brasil pode ser encontrado nos biomas Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e no entorno do Pantanal. O Jacaré-coroa habita a Amazônia e mede cerca 1,5m de comprimento.

Bibliografia:

Alcimara Feraboli Curcino, Mariângela Fernandes Abreu, Nícholas Camargo & Sergio Gomes da Silva- Distribuição Espacial De Caiman Crocodilus (Alligatoridae) No Lago Sucupira, Parque Estadual Do Araguaia, Mt- Disponível em: http://portal.unemat.br/media/oldfiles/ppgec/docs/Producoes_Curso_de_Campo_2009/Relatorios_Grupos_2009/Cursino_et_al_Distribuicao_de_Caiman_crocodilus.pdf

http://www.redeprofauna.pr.gov.br/arquivos/File/biblioteca/bichosdoparana_repteis.pdf

Ana Cláudia Alves- Descrição Morfológica do Sistema Respiratório e do coração do Jacaré-do-pantanal (Caiman yacare) proveniente de Zoocriadouro- Dissertação para o título de mestre Universidade Federal de Lavras, 2014

Vanessa Sobue Franzo- Estudo da Fórmula Vertebral do Jacaré-Açu (Melanosuchus Niger)- Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, Ano VIII – Número 14 – Janeiro de 2010

Zilca Campos, Boris Marioni, Izeni Farias, Luciano M. Verdade, Luiz Bassetti, Marcos E. Coutinho, Sônia H. S. T. de Mendonça, Tiago Quaggio Vieira & Willian E. Magnusson- Avaliação do risco de extinção do jacaré-paguá Paleosuchus palpebrosus (Cuvier, 1807) no Brasil- Biodiversidade Brasileira, 3(1), 40-47, 2013

Zilca Maria da Silva Campos- Observações sobre a Biologia Reprodutiva de 3 Espécies de Jacarés na Amazônia Central- ISSN 1517-1981 Outubro 2003

Arquivado em: Répteis