Formação da Lua

Mestre em Astronomia (Observatório Nacional, 2016)
Graduado em Física (UFRPE, 2014)

A Lua é um objeto celeste de extrema importância para a Terra: sem ela, nosso planeta seria extremamente diferente. A Lua causa o efeito de marés o que, por sua vez, diminui a velocidade de rotação da Terra, de forma que a mantém estável. A Lua também interfere no eixo de rotação da Terra fazendo com que a precessão (variação do eixo de rotação) seja baixa e, sem a Lua, a Terra, em alguns momentos, se inclinaria a ponto de estar à 90º em relação ao Sol, causando diferenças extremas de temperatura ao longo do ano.

Para entender como ela se deu sua formação e como passou a orbitar a Terra, astrônomos criaram algumas hipóteses que explicam as atuais características lunares. As três principais são as hipóteses de captura, de co-formação com a Terra e a do grande impacto.

A Lua. Foto: NASA

Hipótese de captura

Essa hipótese parte do princípio da força gravitacional que atrai os corpos. Aqui, consideramos que a Lua era um corpo rochoso formado em alguma outra parte do Sistema Solar que, ao se aproximar da Terra, foi gravitacionalmente capturado por ela e passou a orbitá-la. Essa hipótese é melhor sustentada quando o corpo orbitante possui uma forma irregular, como as luas de Marte. Como a Lua é esférica, essa hipótese não é muito bem aceita entre os astrônomos, além do fato de não explicar muitas outras características da Lua como, por exemplo, o fato de ambas possuírem materiais parecidos em suas composições.

Hipótese de co-formação Lua-Terra

A hipótese de co-formação, como o nome sugere, diz que a Lua e a Terra foram formadas ao mesmo tempo no disco protoplanetário onde as partículas ao redor do Sol se aglomeram, por causa da gravidade, formando os objetos celestes que orbitam o Sol. Dessa forma, a Lua e a Terra teriam se formado ao mesmo tempo e isso explicaria a composição material semelhante delas e a localização da Lua. No entanto, a densidade da Lua é menor do que a da Terra, o que não deveria acontecer caso ambas tenham se formado a partir dos mesmos materiais pesados. Tal fato enfraquece essa hipótese.

Hipótese do Grande Impacto

Essa hipótese diz que quando a Terra estava se formando, há 4,5 bilhões de anos atrás, outros corpos celestes menores também estavam se formando no Sistema Solar e um deles, nomeado Theia, colidiu com a Terra no final de sua formação soprando detritos rochosos de forma que alguns deles entraram em órbita e mais tarde se aglomeraram formando a Lua.

Formação da Lua. Ilustração: Nasky / Shutterstock.com

Essa é a teoria mais bem aceita entre os astrônomos pois explica muitas das características da Lua que as outras hipóteses não explicam como o fato de, diferentemente da Terra, a Lua não possuir um núcleo de ferro. Isso acontece pois os detritos soprados para fora da Terra vieram do manto rochoso pois o núcleo da Terra já havia se formando quando aconteceu o grande impacto.

Essa teoria também explica uma dúvida que hipótese de co-formação não conseguiu esclarecer: o fato da densidade luar ser menor que a terrestre. Isso ocorre pois a Lua carece de ferro, que é um material bastante denso, devido ao motivo explicado anteriormente.

Outro fato que sustenta essa hipótese é a composição isotópica idêntica de oxigênio presente na Terra e na Lua, enquanto meteoritos de outras partes do sistema solar e as Luas de Marte (que orbitam o planeta devido à captura gravitacional) têm composições isotópicas de oxigênio diferentes. Tal fato é um indício que a Lua se formou próximo ao nosso planeta.

Referências:

WHAT WOULD WE DO WITHOUT THE MOON? Sciencenoway. Disponível em: <https://sciencenorway.no/forskningno-norway-planets/what-would-we-do-without-the-moon/1433295>. Acesso em 04 de mar. de 2020

HOW WAS THE MOON FORMED? Space.com. Disponível em: <https://www.space.com/19275-moon-formation.html>. Acesso em: 14 de mar. de 2020

THE ORIGIN OF THE MOON. Psi.edu. Disponível em: <https://www.psi.edu/epo/moon/moon.html>. Acesso em: 14 de mar. de 2020

Arquivado em: Astronomia