Formação da Lua

Desde a Antiguidade, a Lua é um objeto de grande curiosidade e misticismo, fascinando a humanidade através das eras. Foi objeto de culto quando o homem glorificava os astros por temer o desconhecido. Objeto de amor quando encarnou a deusa da fertilidade, pela aproximada equivalência entre o período orbital responsável pelas fases lunares e o ciclo menstrual. E objeto de inspiração para os jovens astrônomos e cientistas, representando o primeiro passo na grande jornada da humanidade rumo ao espaço sideral.

Foto: NASA

Foto: NASA

A Lua é o único astro que gira ao redor da Terra e também o mais próximo, com uma distância média de cerca de 385 mil quilômetros. Foi o primeiro e único astro, até o momento, a ser visitado pelo homem. O primeiro a pisar em solo lunar foi Neil Armstrong, tripulante da nave Apolo 11, em 1969. Seu diâmetro é aproximadamente 1/3 da Terra. Vale ressaltar que os períodos de rotação em torno de seu eixo e em torno da Terra são iguais, fazendo com que a mesma face da Lua esteja sempre visível para nós.

Mesmo nos dias de hoje, ainda não temos certeza absoluta de como foi a formação da Lua. Pela teoria mais aceita, conhecida como Big Splash, em algum momento do período Hadeano (4,57 a 3,85 bilhões de anos atrás) um objeto do tamanho de Marte se chocou com a Terra. Esse modelo consegue explicar o momento angular orbital do sistema Terra-Lua e também a semelhança entre os dois corpos em termos de composição química. O gigante impacto entre esse corpo (Theia é o nome que foi dado à esse planeta) e a Terra ocasionou a vaporização total do primeiro, bem como a superfície do segundo, lançando toda água e rocha fundida na atmosfera, formando um anel similar ao de Saturno. Esse anel então se condensou e formou a Lua, que ficou presa no campo gravitacional terrestre.

A captura da Lua transformou de maneira significativa a Terra primitiva. O período rotacional da Terra vem decaindo desde este evento, devido principalmente às forças de maré. Durante o período Devoniano (415 a 360 milhões de anos atrás) a duração de um dia era de 21,6 horas.

A perda de energia rotacional pela Terra foi ganha pela Lua, fazendo com que a distância média entre Lua e Terra tenha aumentado, desde a sua formação. Isso significa que ela foi formada a uma distância muito menor do que a que observamos hoje. E uma Lua mais próxima significa efeitos de maré muito mais elevados, o que ajudaria muito na formação da famosa “sopa primordial”: mares primitivos com alta concentração de materiais orgânicos e que poderiam ter facultado a formação da vida. A Lua, portanto, pode ter exercido um papel fundamental na origem da vida na Terra. E entender sua origem implica, em última análise, em tentarmos entender a nossa própria existência.

Referências:
[1] Anderson, D. Theory of the Earth. Blackwell Scientific Publications, 1989.
[2] De Campos, J. A. S. Fundamentos de Astronomia. Departamento de Astronomia, Observatório do Valongo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.
[3] Shaw, A. Astrochemistry: From Astronomy to Astrobiology. John Wiley and Sons, England, 2006.

Arquivado em: Lua