Manuel Inácio da Silva Alvarenga

Graduada em Letras - Literatura e Língua Portuguesa (UNIABEU, 2015)

Manuel Inácio da Silva Alvarenga era pobre, mestiço e de mãe desconhecida. Nasceu em Ouro Preto no ano de 1749, apesar de seus problemas financeiros, recorrentes de sua origem humilde, quando jovem, estudou Humanidades no Rio de Janeiro, possivelmente com a ajuda de amigos que o apoiaram em sua caminhada acadêmica. Logo após, seguiu para Coimbra onde estudava as leis, regulamentos e doutrinas adotadas pelos lideres que governam a Igreja Cristã, chamado Direito canônico. Durante o Bacharelado, Silva Alvarenga conviveu com os poetas Basílio da Gama e Alvarenga Peixoto, ambos possuíam idade mais avançada. Silva Alvarenga aproximou-se muito de Basílio da Gama, que escrevia sob o pseudônimo Termindo Sipílio, o poeta que tornou-se célebre por seu poema “O Uraguai”. Basílio da Gama e Silva Alvarenga tornaram-se amigos. No mesmo período de seu curso de bacharelado em Direito, o poeta envolveu-se na defesa da nova política educacional de Marquês de Pombal, que foi secretário de Estado do Reino durante o reinado de D. José I, o qual o protegeu.

Quando retornou ao Rio de Janeiro, dedicou-se ao ensino e a advocacia. Alvarenga funda, em 1786, uma associação literária, que transformou-se em uma espécie de clube de ideias democráticas. Em pouco tempo, Silva Alvarenga e alguns sócios foram presos, provavelmente por ordem do Conde Resende, acusados de pactuarem com as ideias da Revolução Francesa contra a Coroa portuguesa, e tiveram seus bens confiscados, por resultado de uma denúncia. A prisão durou por volta de três anos, quando fora libertado em 1797, pois D. Maria I, (Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita Joana), filha mais velha do Rei José I, o perdoou. Com o tempo, o poeta volta às atividades de ensino, que lhe era agradável, e funda d’O Patriota, tornando-se um dos primeiros jornalistas brasileiros.

Silva Alvarenga, talvez devido a sua formação, era muito crítico, embora também possuísse um ótimo senso de humor, colocava em suas poesias e sátiras sua identidade. Seu envolvimento com a corte e com as veias poderosas da Colônia transfigurava seus versos em idas e vindas à poesia árcade. O poeta, que coloca por diversas vezes, nos seus versos, o frescor da natureza brasileira de forma bucólica, retratando a fauna, árvores frutíferas; cajueiro, mangueira. Em Glaura, poema erótico publicado na Oficina Nunesiana, em Lisboa no ano de 1799, Silva Alvarenga transborda sua sensibilidade em versos de galanteio.

O advogado, poeta e professor morreu em 1814, no Rio de Janeiro, solteiro e sem deixar descendência. De acordo com a sua brilhante trajetória, Silva Alvarenga é considerado o precursor do Romantismo no Brasil.

Principais obras:

  • Desertor das Letras (1774 );
  • Glaura (1799).

Referência:

http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/ManuInSA.html

Arquivado em: Biografias, Escritores