Cicadófitas (Divisão Cycadophyta)

Doutorado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente (Instituto de Botânica de São Paulo, 2017)
Mestrado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente (Instituto de Botânica de São Paulo, 2012)
Graduação em Biologia (UNITAU, 2006)

As cicadófitas, pertencentes à Divisão Cycadophyta, surgiram há pelo menos 250 milhões de anos, durante o período Permiano, e foram muito abundantes na era Mesozoica (Figura 1). São encontradas em regiões tropicais e subtropicais. Elas fazem parte do grupo das gimnospermas, plantas vasculares que possuem sementes, porém não apresentam flores ou frutos. Nessas plantas não há mais a dependência direta da água para a reprodução, como ocorria nas plantas vasculares sem sementes. A maioria das cicadófitas são plantas grandes, podendo atingir mais de 18 metros de altura. Suas folhas estão distribuídas no ápice do caule, formando uma coroa, lembrando assim as palmeiras. Entretanto, nas cicadófitas ocorre um crescimento secundário verdadeiro, ainda que lento, o qual não está presente nas palmeiras.

Figura 1. Uma gimnosperma do grupo das cicadófitas. Indivíduo adulto. Observar a semelhança com uma palmeira. Esta planta é muito utilizada no paisagismo. Foto: Olha Solodenko / Shutterstock.com

Como ocorre em todas as gimnospermas, nas cicadófitas a geração esporofítica (2n) prevalece sobre a gametofítica (n). As estruturas reprodutivas estão organizadas quase sempre em estróbilos, os quais são popularmente conhecidos como pinhas ou cones. Essas plantas são dioicas, ou seja, as estruturas reprodutivas masculinas e femininas são formadas em indivíduos diferentes. Os estróbilos masculinos (microsporângios) e os femininos (megasporângios) estão agrupados próximos ao ápice do caule, sendo responsáveis pela produção dos micrósporos e dos megásporos, respectivamente (Figuras 2 e 3). Nas cicadófitas, os gametas masculinos são multiflagelados e nadam até a oosfera (gameta feminino) para que a fecundação ocorra.

Figura 2. Estróbilos femininos. Foto: ranimiro / Shutterstock.com

 

Figura 3. Estróbilos masculinos. Foto: kaninw / Shutterstock.com

A polinização, isto é, o transporte do grão de pólen até o óvulo das plantas femininas, ocorre geralmente por insetos. Besouros de diversas espécies estão frequentemente associados com os estróbilos masculinos em várias cicadófitas. Acredita-se que essa relação com os insetos esteve presente durante toda a história de vida dessas plantas, tanto que atualmente quase a totalidade das espécies são polinizadas por insetos.

Referência bibliográfica:

Raven, P.; Evert, R.F. & Eichhorn, S.E. 2007. Biologia Vegetal. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 830 p.