Entose

Mestrado em Ciências Veterinárias (UFU, 2013)
Graduação em Ciências Biológicas (UEG, 2010)

A entose foi descrita recentemente como um mecanismo de morte celular “célula-na-célula”, ou seja, uma célula não fagocitária engloba a outra e provoca sua morte. Por isso, foi denominada anteriormente por “canibalismo celular”. Esse mecanismo parece não ser regulado pelas conhecidas proteínas de morte e sobrevivência celulares, como as caspases e BcL-2, respectivamente.

Por ser um processo que culmina na morte celular internalizada, a entose é um processo importante na eliminação de células fora do seu microambiente e/ou condições normais, como nos casos de erros na mitose e cânceres.

Como ocorre a Entose

O mecanismo da entose ainda não é completamente compreendido. Mas, sabe-se que ela ocorre da seguinte maneira:

  • Células normais do tecido aderem outras células que se desprendem da matriz extracelular, por meio da proteína caderina;
  • A célula aderida é englobada pela outra célula vizinha não fagocitária;
  • Os vacúolos entóticos são maturados dentro da célula que englobou e fundidos aos seus lisossomos;
  • As enzimas lisossomais digerem o conteúdo da célula englobada e eliminam os nutrientes derivados do processo para o citosol;
  • Ocorre, então, a morte e o desaparecimento da célula englobada.

Apesar da entose diferir da autofagia clássica por ser provocada por outra célula vizinha, mecanismos conhecidos na autofagia para fundir os vacúolos entóticos englobados aos lisossomos foram observados nesse tipo de morte celular.

Esse mecanismo difere, ainda, da apoptose, devido ao fato de que as células englobadas não expõem externamente resíduos de fosfatidilserina em suas membranas plasmáticas, fato que ocorre em mecanismos apoptóticos.

Em quais células ocorre Entose

A entose foi descoberta e descrita como um mecanismo de morte celular em células cancerígenas. Desde então, foi observada tanto em células homotípicas, ou seja, células da mesma linhagem englobam suas semelhantes que apresentam alterações cancerígenas, quanto em células heterotípicas, quando células imunes não fagocitárias englobam células tumorais de outra linhagem.

Atualmente, esse mesmo mecanismo foi visualizado em células normais do corpo nas seguintes situações:

  • O trofoblasto de blastocistos englobam células epiteliais do útero durante a implantação por entose;
  • Células de Sertoli englobam espermatozoides por entose, durante o período de hibernação da tartaruga chinesa de casca mole;
  • Remodelação de determinadas estruturas embrionárias pela endoderme;
  • Eliminação de uma célula em migração, facilitando a fusão da gônada-cloaca, necessária para a fertilidade em um nematelminto (Caenorhabditis elegans).

Mais detalhes no futuro

Por ser um mecanismo descrito recentemente, ainda é não é totalmente compreendido. Por isso, pesquisas estão sendo realizadas no intuito de verificar quais sua contribuição e participação nos processos fisiológicos do corpo e em cânceres.

Referências

ABDU, Yusuff et al. Developmentally programmed germ cell remodelling by endodermal cell cannibalism. Nature cell biology, v. 18, n. 12, p. 1302-1310, 2016.

AHMED, Nisar et al. Entosis acts as a novel way within Sertoli cells to eliminate spermatozoa in seminiferous tubule. Frontiers in physiology, v. 8, p. 361, 2017.

GABRIEL, G. H.; NEPOMUCENO, L. L.; FERREIRA, C. M.; PIMENTA, V. S. C.; ARAÚJO, E. G. Definições e mecanismos moleculares em morte celular. Enciclopédia Biosfera, v.14 n.26, p.214-234, 2017.

GALLUZZI, L., VITALE, I., ABRAMS, J. M., ALNEMRI, E. S., BAEHRECKE, E. H., BLAGOSKLONNY, M. V. et al. Molecular definitions of cell death subroutines: recommendations of the Nomenclature Committee on Cell Death 2012. Cell death and differentiation, v. 19, n. 1, p. 107, 2012.

LEE, Yongchan et al. Entosis Controls a Developmental Cell Clearance in C. elegans. Cell reports, v. 26, n. 12, p. 3212-3220. e4, 2019.

Arquivado em: Citologia