Neosporose Bovina

A neosporose é causada pelo parasita Neospora caninum, e foi diagnosticada pela primeira vez, no ano de 1988, em filhotes de cães. Já no Brasil, este parasita foi identificado apenas no ano de 1997, no estado de São Paulo.

Neospora caninum

Este agente etiológico é um coccídio intracelular, sendo que os cistos e os taquizoítos são as formas encontradas intracelularmente. Essa primeira estrutura mede e torno de 6 x 2 µm de comprimento, podendo estar presentes em diversas células do organismo. Já os cistos são ovais, podendo medir até 107 µm de diâmetro e são encontrados nas células do sistema nervoso. Dentro desses estão presentes os bradizoítos, que medem em torno de 7 X 1,5 µm de comprimento.

No início, este parasita foi confundido com o Toxoplasma gondii, microrganismos causador da toxoplasmose. Recentemente foi descoberto que o hospedeiro definitivo do N. caninum é o cão, no entanto, este agente pode afetar diferentes hospedeiros intermediários, como bovinos, caprinos, ovinos, equinos e cervídeos. No entanto, as duas espécies mais afetadas por esta enfermidade são os bovinos e caninos.

A infecção do hospedeiro definitivo se dá através da ingestão da carcaça do hospedeiro intermediária infectado, desenvolvendo uma infecção intestinal. Haverá a reprodução sexuada do parasita no intestino e, após, seus ovos (oocistos) serão eliminados pelas vezes. Ocorrerá a esporulação dos oocistos nas fezes, dentro de um período de três dias. Esses são resistentes, permanecendo viáveis no ambiente por um longo período de tempo, até serem ingeridos pelos hospedeiros intermediários. Nesse hospedeiro, os esporozoítos irão se desencistar e invadir tecidos levando à uma infecção sistêmica.

Nos bovinos, não se sabe ainda qual o impacto econômico gerado por essa enfermidade, no entanto, está relacionado principalmente com abortos.

O sinal clínico mais evidente em bovino é o aborto, geralmente no meio do período da gestação, no entanto, pode ocorrer em qualquer momento a partir do segundo mês de gestação, gerando um aumento do intervalo entre partos. Podem ocorrer outros problemas reprodutivos, e também, alterações no bezerro, como: reabsorção fetal, mumificação, natimortos, fetos autolisados, morte em seguida ao nascimento, nascimento de animais cronicamente infectados, nascimento de bezerros com sinais neurológicos (ataxia motora, paralisia, exoftalmia, encefalomielite, entre outros).

O diagnóstico pode ser feito a partir de casos de aborto. Mas para sua confirmação, deve ser realizado testes sorológicos, como imunofluorescência indireta e testes imunoenzimáticos (ELISA), sendo que indicam exposição dos animais à Neospora, mas não significa que eles estejam doentes. Para que haja a confirmação de que o aborto tenha sido causado pela N. caninum, esse deve ser encontrado nos tecidos fetais.

Até  o momento, não há um tratamento eficaz para esta enfermidade. No entanto, existem alguns protocolos de testes de vacinas que estão sendo feitos nos Estados Unidos.

Algumas medidas preventivas devem ser tomadas como: proteção dos alimentos e da água contra a contaminação por fezes de cães, remoção dos fetos abortados e restos de envoltórios fetais das pastagens, evitar oferecer carne crua para os cães, pois caso a carne esteja infectada, o cão irá tornar-se um hospedeiro definitivo, disseminando ainda mais este parasita.

Fontes:
http://www.nucleoestudo.ufla.br/grupodoleite/Artigos/NEOSPOROSE%20BOVINA.doc
http://www.revista.inf.br/veterinaria10/revisao/edic-vi-n10-RL60.pdf
http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/doc/doc_pdf/DOC104.pdf
http://www.vallee.com.br/doencas.php/1/50
http://www.revistarural.com.br/Edicoes/2002/Artigos/rev55_neosporose.htm
http://pcwww.liv.ac.uk/testapet/Neospora_9.htm

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.