Toxoplasmose

Mestre em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas (FIOCRUZ, 2011)
Graduada em Biologia (UGF-RJ, 1993)

A toxoplasmose é uma infecção provocada pelo protozoário Toxoplasma gondii. Não é transmissível de pessoa para pessoa. Diversos animais podem transmitir a doença para os seres humanos: gatos, suínos, caprinos, bovinos, aves e animais silvestres, mas aparentemente não ficam doentes. Os gatos e outros felinos são os hospedeiros definitivos da doença, pois neles ocorre a reprodução sexuada do parasito. Cabe ressaltar que gatos que nasceram e vivem em ambiente doméstico sem acesso à rua e alimentados exclusivamente com ração possuem chances reduzidas de se contaminar com o protozoário. Em pacientes imunodeprimidos (que possuem câncer, AIDS ou doenças crônicas), a doença pode ser fatal. Existe a forma congênita onde a mãe grávida portadora da doença ou que já a tenha tido, transmite a doença através da barreira placentária, ocasionando severas consequências para o feto.

Transmissão

Os gatos adquirem o protozoário ao comerem carne crua contaminada como carne de ratos e aves. A transmissão ao homem ocorre pela ingestão de carnes mal cozidas (boi e porco) ou contato com fezes de animais contaminados. Há uma possibilidade remota de se contrair a doença mais diretamente pelo contato com fezes de gato. Pode ocorrer transmissão também pela transfusão de sangue e transplante de órgãos de pacientes contaminados. Durante a gestação a mulher deve realizar exames para detectar a doença, e se for o caso, tratá-la.

Sintomas

Os principais sintomas são: febre, gânglios aumentados, hepatoesplenomegalia (aumento do fígado e baço), podendo evoluir para pneumonia e encefalite. A toxoplasmose congênita pode ocasionar no feto alterações oculares, hidrocefalia, microcefalia, retardo mental, convulsões, anemia, problemas no fígado e mais raramente podem ocorrer o aborto e natimorto.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito através da pesquisa das Imunoglobulinas IgM e IgG que vão demonstrar a presença de anticorpos específicos para a doença. As mulheres grávidas devem realizar o exame no pré-natal e se for detectada a doença, pode ser feita uma análise do líquido amniótico (amniocentese), para detecção da doença no feto. Quando há suspeita de toxoplasmose cerebral, um simples exame de imagem é suficiente para confirmar o diagnóstico.

Tratamento

Em pacientes imunocompetentes, a doença regride espontaneamente. Em pacientes imunodeprimidos, o tratamento é feito com antibióticos ao longo de 6 semanas. Mulheres grávidas são tratadas com espiramicina até o final da gravidez.

Prevenção

Várias medidas simples podem ser tomadas para a prevenção da toxoplasmose dentre elas:

  • consumir apenas carne bem cozida;
  • lavar bem frutas e legumes;
  • Congelar a carne por 3 dias a 15ºC negativos;
  • lavar as mãos regularmente, sobretudo após a manipulação de alimentos e antes das refeições;
  • evitar contato com areia de gatos e lavar bem as mãos após este procedimento. Gestantes não devem ter contato com areia de gatos;
  • manter o gato bem alimentado e sem acesso à rua para ele não caçar e se contaminar.
  • evite acariciar cães que andem soltos;
  • controle ratos e insetos como moscas, baratas e formigas, descartando corretamente o lixo doméstico e os dejetos das criações de animais;
  • lave bem as mãos e as unhas após trabalhar na terra (horta ou jardim);

Bibliografia:

Soares, JL. Programas de Saúde. Editora Scipione

Tortora, Gerard J. Microbiologia. 10. ed. – Porto Alegre: Artmed, 2012.

Toxoplasose: tratamento e prevenção. Disponível em http://saude.ccm.net/faq/7013-toxoplasmose-tratamento-e-prevencao

Toxoplasmose. Disponível em http://www.blog.saude.gov.br/index.php/34462-toxoplasmose

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.