Exploração ilegal de madeira na Amazônia

Mestrado em Ciências Biológicas (INPA, 2015)
Graduação em Ciências Biológicas (UFAC, 2013)

A exploração ilegal de madeira na Amazônia é uma realidade no Brasil. A região norte é a área brasileira onde há maior extensão de remanescentes florestais nativos no pais e onde a situação é mais alarmante. Outros biomas já foram degradados ao ponto de não conseguirem mais superar o seu ponto de resiliência como é o caso do Cerrado e da Mata atlântica.

Certos lugares remotos da federação brasileira, como em Boa Vista de Pacarana, município localizado ao norte de Espigão d’Oeste no estado de Rondônia, a exploração madeireira é a força motriz da economia regional. Por possuir poucos habitantes, as estradas de terra formam labirintos que se transformaram em um sistema de comércio ilícito de madeira que alimenta muitas serrarias em Pacarana.

Pilhas de toras cortadas ilegalmente na amazônia. Foto: PARALAXIS / Shutterstock.com

Já no município de Espigão d’Oeste a indústria madeireira é sustentada principalmente pelo comércio ilegal de madeira de lei extraída de território indígena apesar de a extração comercial de madeira ser expressamente proibida nessas terras. Entre os estados amazônicos, Rondônia é conhecida pelos constantes conflitos de terra e desmatamento ilegal.

No Brasil, o manejo florestal sustentável é uma prática relativamente recente aplicada, implantada na década de 1980, no intuito de trazer controle para um cenário de desordem e ilegalidades. Os métodos de extração de madeira e o acesso mais fácil aos mercados nacionais e internacionais de madeira serrada, laminados e compensados fizeram com que a expansão da indústria madeireira crescesse rapidamente em resposta à estas melhorias. O nome manejo sustentável refere-se a um conjunto de práticas para corte de madeira que visa respeitar o tempo de regeneração da floresta. Os métodos utilizados para extrair madeira são ditos “seletivos” onde somente um número reduzido de árvores é aproveitado em cada área.

Apesar do manejo florestal sustentável ter trazido novas perspectivas para a retirada de madeira na Amazônia, a extração ilegal madeireira no território da floresta amazônica é uma prática que permeia cerca de 90% da produção na ilegalidade.

Outro agravante é que de norte a sul do Brasil o desmatamento é uma realidade em áreas de unidades de conservação e dados comprovam a falta de controle para evitar que a extração ilegal de madeira ocorra nessas áreas. Apesar de os comerciantes de madeira adotarem boas práticas no setor florestal, os mesmos participam de uma inviabilidade econômica e acabam tendo que competir com o preço da madeira ilegal a qual não é sobrecarregada com os custos de funcionários e técnicas de manejo apropriadas.

A Avaliação Nacional de Risco do Brasil (ANR) revelou que, entre o processo de exploração de madeira ilegal, estão atividades outras que também são tão alarmantes quanto a exploração de madeira, que é o trabalho escravo infantil, o qual também está atrelado as madeireiras em diversos estados pelo Brasil.

Em uma ação de combate à exploração madeireira ilegal, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, que é órgão competente fiscalizador do governo brasileiro contra esse tipo de ação, contou com a participação de 35 fiscais da autarquia, apoiados por uma equipe de proteção em helicópteros, mais de 50 policiais com porte de armas pesadas e quase 100 soldados do exército para surpreender em flagrante operações ilegais de extração de madeira e serrarias em Rondônia, além de adotar a aplicação de multas caras contra infrações ambientais.

Outras práticas adotadas pelos agentes de campo do IBAMA contra a ação da exploração ilegal de madeira na Amazônia, era a destruição de tratores e escavadeiras de madeireiros ilegais nas regiões remotas da floresta. Medidas estas que eram raras de serem empregadas mas que eram postas em prática para impedir que os exploradores retomassem as atividades ilícitas.

Leia também:

Referências bibliográficas:

https://www.amazoniasocioambiental.org/pt-br/radar/extracao-ilegal-de-madeira-ainda-e-realidade-no-brasil-aponta-estudo-inedito-do-fsc/ acessado em 07/01/2020

https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2019/09/por-dentro-da-dificil-missao-de-combate-extracao-ilegal-de-madeira-na acessado em 07/01/2020

http://florestasilenciosa.ambiental.media/a-madeira/ acessado em 07/01/2020

Nepstad, D. C., A. Moreira & A. A. Alencar. 1999. A Floresta em Chamas: Origens, Impactos e Prevenção de Fogo na Amazônia. Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, Brasília, Brasil.

Arquivado em: Ecologia