Relevo da Europa

Mestrado em Geografia (UFSC, 2015)
Graduação em Geografia (UFSC, 2012)

O relevo europeu apresenta padrões diferenciados, articulando um conjunto de terras baixas, com menos de 200m de altitude, e um sistema de regiões montanhosas. A combinação de montanhas e planícies, de distintas idades geológicas, oferece grande variedade de ambientes. A Europa é o segundo menor continente, depois da Oceania, e também o que apresenta o relevo mais plano, com altitude média de 230m. Suas grandes planícies, como a estepe russa, alternam-se com as cordilheiras de formação geológica mais recente.

A história geológica da Europa teve início há cerca de 3 bilhões de anos, adquirindo a aparência atual há 540 milhões de anos. Sua região mais antiga é a Península Escandinava, com origem na Era Pré-Cambriana. A glaciação deu origem aos aspectos físicos da região, com o surgimento de fiordes – formados com o avanço do mar sobre os espaços escavados pelas geleiras há 12 mil anos – e a erosão da superfície. A segunda região geológica mais antiga estende-se desde a Grã-Bretanha e sudeste da França até o oeste da Rússia, com predominância de rochas sedimentares. É onde localiza-se a Grande Planície da Europa. Já a região de formação mais recente corresponde ao sul do continente, onde os principais sistemas montanhosos europeus se originaram há 40 milhões de anos, em decorrência dos choques entre as placas tectônicas Africana e Eurasiana.

Portanto, podemos identificar três principais tipos de relevo a Europa: planícies, planaltos e montanhas. As formas de relevo de maior destaque são as planícies, principalmente na porção central e leste. As planícies europeias, com solos geralmente muito férteis, apresentam grande importância para o desenvolvimento da atividade agrícola. A Grande Planície do Norte ilustra bem o relevo europeu, estendendo-se por 2 mil quilômetros, da costa atlântica francesa até os Montes Urais, na Rússia, que marcam a fronteira física com a Ásia. Entre as principais planícies destacam-se a Sarmática, a Germânica e a da Hungria.

Os maciços que delimitam as planícies possuem formação geológica antiga, com picos que não costumam superar os 2 mil metros de altitude. Entre elas, podemos destacar as montanhas das Ilhas Britânicas, da Escandinávia, o Maciço Central francês e as elevações da região da Floresta Negra, na Alemanha.

Por serem terrenos antigos, os planaltos europeus foram bastante desgastados pela erosão, e por esse motivo apresentam altitudes consideradas baixas. Nas áreas de planaltos, pode-se destacar as regiões dos já mencionados Maciço Central na França, que possui gargantas (Gorges du Tarn) e vulcões (Puy de Dôme) conhecidos mundialmente, e os montes Peninos, que formam a cadeia contínua que se estende da Escócia até o norte da Inglaterra. Além dessas áreas, observa-se áreas elevados próximas aos Montes Urais, o Planalto da Lapônia (ao norte), os planaltos Central Russo e do Volga (em meio à grande planície) e da Podólia (um pouco mais ao sul).

As montanhas, originadas no período Terciário (de 70 a 2 milhões de anos atrás), possuem origem geológica mais recente do que as demais formas do relevo europeu. Essas regiões se caracterizam por elevadas altitudes e constantes movimentos tectônicos, como terremotos e erupções vulcânicas. As grandes cadeias montanhosas localizam-se no sul da Europa. De oeste para leste, aparecem a Cordilheira Cantábrica, os Pirineus, os Alpes, os Apeninos os Cárpatos e os Balcãs. Mais ao leste, no Cáucaso, elevam-se importantes cumes, como o Monte Elbrus (5.642m) que, localizado na Rússia, é o pico mais alto do continente. A região do Cáucaso estende-se por mil quilômetros entre os mares Cáspio e Negro. Juntamente com o Cáucaso, a cordilheira alpina possui os cumes mais elevados da Europa. O Monte Blanc, com 4.807m, é pico de maior altitude.

Fontes:

ATLAS Geográfico Mundial: para conhecer melhor o mundo em que vivemos. [S.l.]: Sol9o, 2005.

CARVALHO, Marcos Bernardino de; PEREIRA, Diamantino Alves Correia. Geografia do Mundo: fornteiras. São Paulo: FTD, 2012.

GARCIA, Valquíria Pires; BELLUCCI, Beluce. Radix: geografia. São Paulo: Scipione, 2013.

GRANDE Atlas Universal: Europa I. [S.l.]: Sol 90, 2004.

Arquivado em: Europa