Serra do Mar

Graduanda em Geografia (IFSP)
Graduada em Biologia (UNICSUL, 2018)

Ouça este artigo:

A Serra do Mar foi formada a partir dos movimentos epirogênicos, tectônicos e das alterações do clima. É um sistema montanhoso constituído por um conjunto de montanhas, escarpas e restos de planaltos, sendo o relevo acentuado devido aos processos erosivos intensos.  A origem da Serra está associada à separação entre os continentes africano e sul-americano, há mais de 100 milhões de anos quando os continentes que formavam a Gondwana começaram a se separar. Assim a Serra é constituída principalmente de granito, uma rocha magmática intrusiva, e gnaisses, uma rocha metamórfica, que formam os escudos cristalinos no Brasil. Os solos das regiões montanhescas são em grande parte pouco desenvolvidos devido a declividade e a pluviosidade da região, que impedem a formação de solos mais profundos. Assim predominam os cambissolos, litólicos e orgânicos, sendo ocupada principalmente por Florestas Ombrófilas Densas ou Florestas de Encostas.

O clima regional é o clima pluvial temperado, no mês mais frio a temperatura média fica entre -3C e +18C, no mais quente a temperatura média fica acima de 22C. O clima é sempre úmido com chuvas em todos os meses do ano, resultado das chuvas orográficas.

Nas altitudes mais elevadas, acima de 800-1.000 metros, ocorrem geadas no inverno. Por se estender do estado do Rio de Janeiro até o norte do estado do Rio Grande do Sul, nos trópicos, as montanhas recebem mais chuva que as regiões que a circundam, assim como os índices pluviométricos aumentam com a altitude até a faixa predominante das nuvens. As montanhas que ultrapassam essa faixa têm os topos mais secos.

A Serra do Mar se apresenta como uma barreira para os ventos úmidos marítimos. Devido a sua declividade, os ventos se condensam nas montanhas e formam uma neblina alta ou as chuvas orográficas. Assim são características especificas da Serra do Mar as temperaturas extremas, grande nebulosidade, umidade relativa alta e altos índices pluviométricos. A alta pluviosidade e declividade gera o carregamento do solo que podem chegar a grandes deslizes de terra e rochas, ainda assim foi possível o desenvolvimento de uma floresta bastante densa, com predomínio de árvores, formando um ambiente úmido e pouco iluminado.

A primeira exploração humana na Serra do Mar se deu pelo extrativismo de madeira e pela construção das ferrovias, entre 1880 e 1885, que ligavam a costa ao planalto superior, ações que desmataram grande parte da Mata Atlântica na região da serra já que a exploração da madeira viabilizaria economicamente a ferrovia.

Depois a exploração mineral do granito na Serra do Mar gerou a construção de pedreiras ao longo da linha ferroviária. A exploração e urbanização no Rio de Janeiro levou ao desmatamento da Floresta Atlântica que causou falta d’agua na cidade no início do século XX, levando o Estado a realizar o reflorestamento de algumas áreas.

Bibliografia:

https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/25388/D%20-%20STRUMINSKI%2C%20EDSON.pdf?sequence=1&isAllowed=y

http://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/visao_conservacao_serra_do_mar.pdf

http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/serradomar/2016/12/AF_P_MIOLO_Livro-Serra-do-Mar-2.pdfhttps://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/pesm/sobre/

Arquivado em: Brasil, Geologia