Éon Proterozóico

Doutorado em Geociências (USP, 2015)
Mestrado em Geologia Sedimentar (UNISINOS, 2008)
Graduação em Ciências Biológicas (UNISINOS, 2006)

O Éon Proterozóico (do grego próteros = anterior, e zóikos = vida) é o período de tempo correspondente a 2.5 bilhões de anos a 541 milhões de anos. Este éon faz parte do Super Éon Pré-Cambriano, que é dividido em 3 éons: o Hadeano (~ 4.6 - 4 b.a.), o Arqueano (4 - 2.5 b.a.), e o Proterozóico (2.5 b.a. - 541 m.a.).

Figura 1. Escala geocronológica do Éon Proterozóico. Ilustração: alinabel / Shutterstock.com

Durante esse éon, as interações dos sistemas de tectônica de placas e do clima eram semelhantes aos dos éons anteriores. O oxigênio se acumulou na litosfera, formando principalmente depósitos de óxido de ferro. Foi nesse éon que surgiram os primeiros seres eucariontes, as algas verdes e as algas vermelhas. Os continentes estavam unidos em uma única massa continental, chamado de Rodínia, o qual se fragmentou ao final deste éon, formando os continentes Laurentia e Gondwana.

O éon Proterozóico é dividido em 3 eras:

  • (i) o Paleoproterozóico (2.5 - 1.6 b.a.), dividido em 4 períodos, o Sideriano, o Rhyaciano, o Orosiriano, e o Statheriano. Nessa era, surgiram os primeiros seres eucariontes;
  • (ii) o Mesoproterozóico (1.6 – 1.0 b.a.), dividido em 3 períodos, o Calymmiano, o Ectasiano, e o Steniano. Nessa era, formou-se o mega continente Rodínia; e
  • (iii) o Neoproterozóico (1.0 b.a. – 542 m.a.), dividido em 3 períodos, o Toniano, o Criogeniano, e o Ediacarano. Nessa era, tem fim ao Éon Proterozóico, com a ocorrência do último período, o Ediacarano, muito conhecido devido a ocorrência fóssil da Fauna de Ediacara (Fig. 2), preservada em suas rochas de aproximadamente 600 milhões de anos. Essa fauna fóssil é composta por uma diversidade de delicadas impressões nas rochas sedimentares, de animais de corpo mole, multicelulares, marinhos, como conchas, placas mineralizadas ou exoesqueletos. A Fauna de Ediacara foi encontrada pela primeira vez em Ediacara, no sul da Austrália. Atualmente, outros afloramentos pelo mundo foram encontrados contendo essa fauna, como no Canadá.

Figura 2. Fóssil de Ediacara. Foto: Alizada Studios / Shutterstock.com

Referências

1. TEIXEIRA, W.; FAIRCHILD, T.; TOLEDO, M.C.M. & TAIOLI, F. (2007). Decifrando a Terra. 2ª edição, São Paulo, SP; Companhia Editora Nacional, 623p.

2. PRESS, F.; SIEVER, R.; GROTZINGER, J. e JORDAN, T.H. (2013). Para entender a Terra. Tradução R. Menegat (coord.), 6ª edição, Porto Alegre, RS; Bookman, 656p.

3. http://www.cprm.gov.br/publique/Redes-Institucionais/Rede-de-Bibliotecas---Rede-Ametista/Canal Escola/Breve-Historia-da-Terra-1094.html

4. http://www.scotese.com/climate.htm

Arquivado em: Geologia