Ascensão da Macedônia

Mestrado em História (UDESC, 2012)
Graduação em História (UDESC, 2009)

Uma das figuras mais emblemáticas da história da antiguidade certamente foi Alexandre, o Grande. Com o fim da Guerra do Peloponeso, vencida pela Liga do Peloponeso que tinha como centro a cidade de Esparta, Atenas perdeu a hegemonia sobre a Grécia. Porém, o poder de Esparta no território grego não durou muito tempo. Isso porque logo em seguida foram dominados por Tebas e os conflitos na região eram intensos e constantes.

Mesmo tendo afastado a ameaça persa desde as Guerras Médicas, os persas não desistiram de conquistar territórios gregos. Eles dominaram novamente cidades gregas da região da Ásia Menor. Em 338 a.C. os macedônios, sob a liderança de Felipe II, enfrentaram os persas a fim de tirá-los da Ásia Menor. Conseguiram derrota-los, mas tiveram seu líder, Felipe II, morto na batalha.

Neste cenário ascende ao poder seu filho, Alexandre Magno. Além de defender o Império organizado e conquistado pelo pai, Alexandre foi responsável pela sua expansão. Os macedônicos estavam localizados no norte do território grego, na Península Balcânica. Com Felipe II iniciaram uma expansão que conquistou algumas regiões, mas foi com Alexandre que o império se expandiu, especialmente em direção ao oriente. Conquistou a Síria, a Palestina, a Pérsia e até mesmo o Egito, chegando na Índia. Pela vastidão do império que construiu e por conquistar tantas cidades passou a ser chamado de Alexandre, o Grande.

Mapa mostra a extensão do império Macedônico. Fonte: Wikimedia Commons / CC-BY-SA 3.0

Alexandre fora educado como grego. Foi aluno de Aristóteles e tinha como prática difundir a cultura grega. Tanto que fundou diversas cidades com o nome de Alexandria. A mais famosa e emblemática foi a Alexandria localizada no Egito, onde se encontrava a Biblioteca de Alexandria, a maior do mundo antigo. As cidades que fundava pelo mundo antigo eram baseadas no modelo grego, com espaços como ginásios e templos característicos das poleis.

Mesmo com as investidas de Alexandre as cidades orientais mantiveram sua língua e seus costumes. Por muito tempo acreditou-se que Alexandre teria sido responsável por um processo de helenização do oriente, impondo a cultura grega. Entretanto, pesquisadores afirmam que os povos das cidades conquistadas por Alexandre mantiveram sua cultura local. Assim, o que houve foi uma troca cultural, um processo mútuo. Mais ainda, há um entendimento de que o processo helenístico – de levar a cultura grega para outros povos – não foi difundido entre todos, mas apropriado especialmente pelas elites locais.

Alexandre, o Grande, faleceu em 323 a.C., de causas naturais e foi enterrado na cidade de Alexandria, no Egito. Após sua morte o império foi dividido que passaram a tomar lugar em seus vários domínios. A ascensão da Macedônia pode ser resumida na jornada de Alexandre: sua marcha para o oriente e a conquista de novas terras, com a expansão do império.

Essa expansão, especialmente em direção ao oriente, atrelada à difusão da forma de organização das cidades e a própria cultura grega que Alexandre tinha por intenção espalhar pelo mundo antigo caracterizam o período. Ainda assim, cabe destacar: Alexandre foi um conquistador e buscava submeter as populações dos locais por onde passava à cultura grega, que aprendeu quando jovem, em uma relação de poder. A ascensão da Macedônia, portanto, foi um processo que envolveu a expansão do império, iniciado por Felipe II mas que ganhou novas proporções com a emergência de Alexandre, seu filho, ao trono.

Referências:

FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2002.

GUARINELLO, Norberto Luiz. História Antiga. São Paulo: Contexto, 2010.