Imigração Holandesa no Brasil

Graduada em História (UFF, 2017)
Mestre em Sociologia e Antropologia (UFRJ, 2012)
Graduada em Ciências Sociais (UERJ, 2009)

Os textos direcionados ao estudo da Imigração holandesa no Brasil apontam para o movimento migratório ocorrido principalmente entre os séculos XIX e XX, com estimulação do governo brasileiro de entrada de europeus como forma de substituição da mão-de-obra escrava. O primeiro fluxo migratório holandês para o Brasil teria ocorrido assim no ano de 1858 com a fundação em 1860 da colônia Holandesa no Espírito. Porém, ainda no Brasil colonial houve uma grande entrada de holandeses em território brasileiro quando a região nordeste foi invadida pelos holandeses.

Esta ocorreu no período de União Ibérica, momento de união das coroas portuguesa e espanhola. Antes da União Ibérica, Portugal e Holanda tinham acordos sobre a comercialização de açúcar, porém com a junção dos países, a Espanha não quis dar continuidade. Então em 1621, é fundada a Cia das Indias Ocidentais com o objetivo de prosseguir com o comércio açucareiro. Em 1624 invadem a Bahia, mas são expulsos. Em 1630 fazem nova tentativa em Pernambuco e a partir dali vão dominando quase todo o litoral nordestino. Durante o governo de Maurício de Nassau, o chamado “Brasil holandês”, houve um grande investimento na infraestrutura da região.

Com a volta de Nassau, aumentaram os enfrentamentos contra os holandeses e em 1645 inicia-se a Insurreição Pernambucana que chegou ao fim alguns anos depois com a vitória dos rebeldes na 2° Batalha dos Guararapes. Porém, a influência do período da presença holandesa em Pernambuco pode ser observada até hoje em edificações, prédios públicos, pontes e demais construções por diversas partes da região.

Mais de dois séculos depois em 1899 deu-se início ao período que é tido como o do auge do período da imigração holandesa no Brasil. Esse período se estendeu até o ano de 1940 e estima-se que aproximadamente 8200 holandeses tenham entrado no Brasil, embora seja difícil precisar esse número ao certo e podemos destacar alguns marcos desse fluxo imigratório:

  • 1908: Holandeses fundam no Paraná a colônia Gonçalves Junior. Muitas são as dificuldades encontradas como endemias, território de matas densas, pragas diversas como gafanhoto, porcos-do-mato e ratos, resultando na dispersão da colônia.
  • 1911: estabelecimento de aproximadamente 450 imigrantes holandeses em Carambeí, no Paraná. Sendo alguns desses imigrantes, colonos de Gonçalves Júnior. No ano de 1925, fundaram a Sociedade Cooperativa Hollandeza de Laticínios Batavo,a Batavo, considerada a 1° cooperativa de laticínios do Brasil.
  • 1948: A colônia Holambra I e a Cooperativa Agropecuaria Holambra são fundadas por cerca de 500 imigrantes holandeses em São Paulo na região da antiga fazenda Ribeirão, tendo essa região se tornado uma grande produtora e exportadora de flores do Brasil
  • 1949/1976: o fim da Segunda Guerra Mundial estimulou a entrada de cerca de 6.098 holandeses no Brasil trazendo com eles tratores, máquinas agrícolas e cabeças de gado.
  • 1949: Estabelecimento em Não Me Toque (RS) de um grupo chegado da Holanda que compraram terras desgastadas e rejeitadas pelos imigrantes alemães estabelecendo modernas empresas agrícolas, o que os tornou grandes produtores de soja e trigo.
  • 1951: A colônia Castrolanda é fundada no Paraná. Posteriormente fundam a Sociedade Cooperativa Castrolanda , uma das bacia leiteira mais produtivas e avançadas do país.
  • Década de 1980: entra em declínio a imigração holandesa devido a falta de estímulo do governo brasileiro.

Bibliografia:

http://www.historiabrasileira.com/brasil-republica/imigracao-holandesa/

Koshiba, Luiz, 1945 – História do Brasil/ Luiz Koshiba, Denise Manzi Frayse Pereira - &. Ed. Ver e atual – São Paulo: Atual, 1996

Arquivado em: História do Brasil