Gordura saturada

Mestre em Ciências Biológicas (UFRJ, 2016)
Graduada em Biologia (UFRJ, 2013)

As gorduras podem ser classificadas em vários tipos, e dentre eles, temos as gorduras saturadas. O termo “saturada” faz referência a sua estrutura química, pois essas gorduras se caracterizam por uma cadeia onde todos os átomos de carbono (C) são unidos apenas por ligações simples, pois já se encontram saturados por ligações com átomos de hidrogênio (H). Essas gorduras saturadas são geralmente sólidas em temperatura ambiente.

Gordura saturada (acima) e não saturada.

Vários alimentos, principalmente de origem animal, são ricos em gorduras saturadas. Como exemplos podemos citar as carnes vermelhas e brancas (principalmente a gordura da carne e pele das aves) e laticínios como leite, manteiga, queijo, creme de leite, iogurte e nata. Alguns alimentos de origem vegetal como coco, dendê e babaçu também são fontes de gordura saturada.

A presença de gorduras saturadas na alimentação é geralmente associada a problemas graves de saúde como obesidade, colesterol alto, diabetes, doenças cardiovasculares e diversos tipos de câncer. Devido a sua característica sólida e hidrofóbica, as gorduras saturadas não dissolvem no sangue e acumulam com mais facilidade nas paredes internas dos vasos sanguíneos, podendo formar placas de gordura que entopem os vasos. Esse acúmulo prejudica a circulação e pode gerar hipertensão, o que induz o endurecimento, perda de elasticidade e espessamento progressivo das paredes das artérias, condição conhecida como arteriosclerose.

Além disso, acredita-se que o consumo desse tipo de gordura favorece o aumento do “colesterol ruim”. Essas moléculas de colesterol são caracterizadas pelo transporte feito por um tipo de lipoproteína (lipoproteínas de baixa densidade ou do inglês LDL) que o leva do fígado até outras partes do corpo. Com o aumento do colesterol total, crescem os níveis de LDL no sangue, o que pode provocar a obstrução de vasos sanguíneos e a formação de placas arterioscleróticas. As obstruções prejudicam o sangue de fluir normalmente e ainda podem ter como consequência quadros de infarto e AVC.

Apesar disso, os cientistas ainda não chegaram em um consenso se há mesmo uma relação entre o consumo de gorduras saturadas com colesterol alto e doenças cardiovasculares, com alguns estudos recentes contestando essa ideia. Esses estudos incluem grandes revisões e mostram que não há associação entre o consumo de gorduras saturadas e o aumento do risco de doenças cardíacas, infartos, derrames e diabetes. Inclusive há estudos que observaram que o consumo de gorduras saturadas pode estar associadas a menor progressão da arteriosclerose. O que acontece é que a ingestão de gorduras saturadas também favorece o chamado “colesterol bom”, pois aumenta os níveis de lipoproteínas de alta densidade (ou do inglês HDL), que fazem o caminho inverso do LDL, retirando o colesterol do sangue. Assim, o saldo final do colesterol no sangue permaneceria inalterado ou sem alterações significativas.

Entretanto, os pesquisadores reconhecem que, apesar dos seus resultados, são necessárias mais pesquisas. De qualquer forma o alto consumo de gorduras saturadas não é recomendado, pois é essencial a manutenção de uma dieta equilibrada e sem excessos para a saúde do corpo, principalmente do sistema cardiovascular.

Referências:

Brown, T.; Lemay Jr, H. E.; Bursten, B. E; Murphy, C. J.; Woodward, P. M.; Stoltzfus, M. W. 2014. Chemistry: The Central Science. 13ª ed., Prentice-Hall, 1246 pp.

Chowdhury, R.; Warnakula, S.; Kunutsor, S.; Crowe, F.; Ward, H. A.; Johnson, L.; Franco, O. H.; Butterworth, A. S.; Forouhi, N. G.; Thompson, S. G.; Khaw, K. T.; Mozaffarian, D.; Danesh, J.; Di Angelantonio, E. 2014. Association of dietary, circulating, and supplement fatty acids with coronary risk: a systematic review and meta-analysis. Annals of Internal Medicine, 160 (6): 398-406.

Malhotra, A.; Redberg, R. F.; Meier, P. 2017. Saturated fat does not clog the arteries: coronary heart disease is a chronic inflammatory condition, the risk of which can be effectively reduced from healthy lifestyle interventions. British Journal of Sports Medicine, 51: 1111-1112.

Siri-Tarino, P. W.; Sun, Q.; Hu, F. B.; Krauss, R. M. 2010. Saturated Fatty Acids and Risk of Coronary Heart Disease: Modulation by Replacement Nutrients. Current Atherosclerosis Reports, 12(6): 384-390.

Sites:

https://healthyforgood.heart.org/eat-smart/articles/saturated-fats

https://www.uccs.edu/Documents/danderso/fats_oils.pdf

http://web.ccead.puc-rio.br/condigital/video/e%20tempo%20de%20quimica/alimentos/lipideos/guiaDidatico.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Bioquímica, Nutrição