Alterações da linguagem

Graduanda em Psicologia (PUC-SP)

A linguagem na forma verbal é uma atividade unicamente humana, essencial na elaboração e expressão de pensamentos e emoções.

É organizada em quatro dimensões:

  • Fonética: referente aos sons e sua produção, transmissão e percepção auditiva e neurossensorial
  • Fônica: referente aos fonemas – unidades fonológicas mínimas
  • Semântica: referente ao significado das palavras
  • Prosódica: referente à entonação da fala
  • Pragmática: referente ao emprego contextualizado da linguagem

Todos estes aspectos podem sofrer alterações em diversos graus.

Eis algumas de suas disfunções orgânicas - relacionadas a perturbações e lesões neurológicas:

Afasias: são síndromes relacionadas à perda da linguagem falada e ouvida, por incapacidade de compreender e utilizar os símbolos verbais, decorrentes de lesão neuronal (revisões de Butler et al., 2014; Yourgarnov et al., 2015). Seus principais tipos são:

  • Afasia de Broca: afasia não fluente na qual o indivíduo, apesar de ter o órgão fonador preservado, não consegue falar ou fala de forma monótona, sem contorno melódico, em pronunciamentos curtos ou com grande latência no tempo de resposta.
  • Afasia de Wernicke: afasia fluente na qual o indivíduo apresenta fala muito defeituosa, por vezes, incompreensível. Por mais, há perda da capacidade de compreender a linguagem falada ou escrita. Ocorre por lesões das áreas temporais esquerdas posterossuperiores.
  • Afasia global: afasia grave, não fluente, acompanhada de hemipariesia direita acentuada no braço. Deve-se a lesões da região perisilviana esquerda.
  • Afasias associadas a demências: é associada principalmente à demência mais comum, a doença de Alzheimer. É caracterizada por ser predominantemente não fluente, com relativa preservação da capacidade de repetir palavras, mas progressiva dificuldade na nomeação de objetos.

Agrafias: são síndromes relacionadas à perda da linguagem escrita, sem que haja déficit motor ou perda cognitiva global. Suas formas são agrafia associada à afasia, agrafia pura – decorrente de lesão na segunda circunvolução frontal, na área de Exner ou no giro angular, na agrafia com alexia e agrafia apráxica – caracterizada pela dificuldade em formar grafemas, resultante de lesão no lobo parietal esquerdo.

Alexia: é a perda da capacidade de leitura previamente adquirida. Além da alexia pura, na qual há comprometimento na habilidade de transferir os resultados das análises da formas das letras para o léxico ortográfico com preservação de todos os aspectos semânticos e léxicos, há subtipos: alexia atencional (déficit grave na atenção seletiva), alexia por síndromes de heminegligência (incapacidade de perceber um hemicampo visual), alexia ortográfica, alexia fonológica, alexia profunda (ou dislexia profunda), na qual a palavra é percebida visual e fonologicamente de forma correta, mas cujo significado é modificado em um aspecto relacionado à palavra.

Disartria: é a dificuldade ou incapacidade motora de articular palavras, decorrente de fraqueza ou paralisia ou coordenação falha dos músculos do aparelho fonador. Como resultado, a fala, se ocorre, é fraca, pastosa e ritmamente prejudicada, por vezes de impossível compreensão. É um sintoma comum em lesões de trauma e acidente vascular cerebral (AVC). Seus tipos são disartria atáxica (tipicamente relacionada a lesões no cerebelo), disartria hipocinética (relacionada a lesões nos núcleos da base e nos circuitos por ele controlados, comum condição do curso progressivo da doença de Parkinson), e a disartria espástica, associada a lesões bilaterais no neurônio motor superior.

Parafasias: São alterações da linguagem nas quais determinadas palavras são deformadas. Seus tipos são parafasia fonêmica, com troca de fonemas das palavras, e parafasias semânticas, com troca de termos das frases.

Referências bibliográficas:

BAEH, Mathias: Duus, diagnostico topográfico em neurologia: anatomia, fisiologia, sinais, sintomas, 2008

Neurociências da mente e do comportamento/ Roberto Lent, coordenador. – [Reimp.] – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013

RAFIA: 1. Dalgalarrondo, P Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre, 2000. Editora Artes Médicas do Sul

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.

Arquivado em: Neurologia, Psicologia