Cristalino

Mestre em Ciências Biológicas (Universidade de Aveiro-SP, 2013)
Graduada em Biologia (Universidade Santa Cecília-SP, 2003)

O cristalino é um corpo com aspecto de lente biconvexa e transparente, com cerca de 8 a 10 mm de diâmetro, sustentado e controlado por músculos ciliares, é localizado atrás da íris entre o humor aquoso (adiante) e o corpo vítreo (atrás). A coloração é amarelada e resistente em adultos, e incolor e de consistência branda nas crianças.

A face posterior é mais convexa que a anterior, com um raio de curvatura de 5 a 5,6 mm. A face anterior corresponde a abertura da pupila e a posterior, a íris e aos processos ciliares.

Numerosas camadas de fibra proteica constituem a estrutura:

  1. Cápsula anterior
  2. Córtex subcapsular anterior
  3. Córtex anterior
  4. Zona supranuclear
  5. Núcleo
  6. Zona supranuclear
  7. Córtex posterior
  8. Cápsula posterior

O cristalino é avascular, formado exclusivamente por um tecido epitelial.

Estrutura do cristalino. Ilustração: Designua / Shutterstock.com

É formada ainda por uma cápsula do cristalino, um revestimento acelular delgada, transparente, homogênea e com aspecto de uma membrana basal. Por causa das fibras elásticas e do colágeno (constituído por glicoproteínas e colágeno IV, principalmente), é mais densa na parte externa do cristalino.

Na face anterior encontra-se o epitélio subcapsular, formado por uma única camada de células cúbicas, delgada e com disposição pavimentosa. Origina as fibras que estão envolvidas no processo de crescimento do globo ocular, quando ocorre o aumento de maneira gradual do cristalino.

O córtex e o núcleo formam a massa interna. As fibras do cristalino estão na região do córtex, são hexagonais, apresentam uma forma longa, mais espessas no centro e provenientes das células originais do cristalino embrionário.

O crescimento do cristalino ocorre através de uma sucessiva justaposição de camadas, com a região do córtex apresentando as células mais jovens.

É responsável pela variação dióptrica: a contração dos músculos ciliares promove o aumento do diâmetro do cristalino, o que permite uma visão precisa de um objeto que está próximo. Em situação inversa, quando o objeto está distante, ocorre o relaxamento dos músculos ciliares. Esse ajuste da distância focal do cristalino se dá para que as imagens dos objetos que estão a diferentes distâncias possam chegar até a retina de forma mais nítida.

A luminosidade que penetra no olho se refrata principalmente na córnea, havendo uma diferença nos valores de refração do humor vítreo, do humor aquoso e do cristalino. A capacidade de mudanças na forma do cristalino e o aumento de sua espessura é chamado de acomodação. A luz atravessa, do cristalino, através do corpo vítreo (substância gelatinosa e viscosa), estrutura que preenche a maior parte do globo ocular, onde é projeta sobre a retina.

Ocorrem alterações na habilidade dos olhos em focalizar (amplitude de acomodação) em função do avanço da idade do ser humano: a acomodação diminui pois o cristalino perde a flexibilidade.

Atualmente, a terminologia utilizada para a estrutura do cristalino é o termo “lente”.

Referências bibliográficas:

COSTA, E. V.; LEITE, C. A. F. O Olho Humano: Acomoda cão e Presbiopia. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 20, n. 3, 1998.

DANTAS, A. M. Anatomia funcional do olho e seus anexos. In: Anatomia funcional do olho e seus anexos. 1983.

TORTORA, G. J.; GRABOWSKI, S. R. Corpo humano: fundamentos de Anatomia e Fisiologia. 6. Ed. Porto alegre: Artmed, 2006.

Arquivado em: Visão