Quênia

Por Emerson Santiago
A República do Quênia (em inglês: Republic of Kenya) é um país localizado à África Oriental, com um território de 580.367 km², um pouco menor que o estado de Minas Gerais. A capital do país é Nairobi. Quênia faz fronteira com a Etiópia ao norte, Somália ao leste, Sudão do Sul a noroeste, Uganda a Oeste, Tanzânia ao sul e o Oceano Índico. A língua oficial é o inglês, que convive com outras línguas nacionais importantes, como o kikuyu e o luo. Com uma população de cerca de 39 000 000 indivíduos, a maioria dos leoneses, cerca de 82% seguem o cristianismo, com 11% de muçulmanos e o restante de adeptos do hinduísmo, siquismo, judaísmo, baha'i e religiões tradicionais africanas.

Fósseis encontrados na África Oriental sugerem que ancestrais do Homo Sapiens percorriam a área há mais de 20 milhões de anos atrás, e que haviam hominídeos vivendo na região perto do lago Turkana há 2,6 milhões de anos atrás.

Povos de língua cushítica do Sudão, Sudão Sul e Etiópia e se mudaram para a área que é agora o Quénia início por volta de 2000 a.C., e comerciantes árabes começam a frequentar a costa em torno do primeiro século d.C. A proximidade com a Península Arábica proporcionou colonização árabe e persa ao longo da costa por volta do século oitavo. Durante o primeiro milênio d.C., os povos Bantu e Nilótico se mudam para a região, e este último grupo hoje compõe dois terços da população do Quênia. O Suaíli, uma língua Bantu com grande vocabulário árabe se desenvolve como uma linguagem de comércio para a região.

A dominação árabe na costa entra em declínio após a chegada dos portugueses em 1498. A Grã-Bretanha estabelece o Protetorado do Leste Africano em 1895. O Quênia torna-se oficialmente colônia britânica em 1920, mas os africanos ficam proibidos de participação política direta até 1944.

De 1952 a 1959, o Quênia estave sob estado de emergência decorrente da revolta "Mau Mau" contra o domínio colonial britânico em geral, e suas políticas de distribuição de terras. Esta rebelião ocorreu quase que exclusivamente nas terras altas do centro do Quénia entre o povo Kikuyu. Dezenas de milhares de Kikuyu morreram nos combates ou em campos de detenção. As perdas britânicas foram cerca de 650.

Quênia se torna independente a 12 de dezembro de 1963, e no ano seguinte ingressa na Commonwealth. Jomo Kenyatta, um kikuyu e chefe da União Nacional Africana do Quênia (KANU), é o primeiro presidente. Em 1966, o KANU tornou-se único partido político do país. Com a morte de Kenyatta em agosto de 1978, o vice-presidente Daniel Arap Moi, um kalenjin da província Vale do Rift, tornou-se presidente interino. Divisões na oposição contribuíram para Moi continuar na presidência, sendo reeleito em 1992 e novamente em 1997.

Em dezembro de 2002, Mwai Kibaki é eleito terceiro presidente do país. Kibaki, do partido National Rainbow Coalition (Coalizão Nacional Arco-Íris - NARC), um kikuyu da província Central, serviu como um membro do parlamento do Quênia desde a independência em 1963, atuou em cargos superiores, tanto nos governos Kenyatta e Moi, incluindo a vice-presidência e a pasta das finanças.

Em 27 de dezembro de 2007, o governo realizou eleições presidenciais, parlamentares e locais. A eleição presidencial teve irregularidades no processo de apuramento, bem como participação de mais de 100% em alguns distritos eleitorais. Em 30 de dezembro, Mwai Kibaki foi declarado vencedor da eleição presidencial. A violência estourou em diferentes partes do Quênia entre partidários do candidato da oposição Raila Odinga e apoiantes de Kibaki. A crise pós-eleitoral deixou cerca de 1.300 mortos e cerca de 500.000 deslocados.

Em 2008, o Presidente Kibaki e Raila Odinga assinaram um acordo de partilha do poder, que previa o estabelecimento de uma posição de primeiro-ministro (a ser preenchido por Odinga) e duas posições de vice-primeiro-ministro. O foco agora é na Constituição, reforma agrária, eleitoral e institucional, bem como uma maior responsabilização pela corrupção e violência política. A nova Constituição foi aprovada em referendo a 4 de agosto de 2010.

Bibliografia:
Quênia. Disponível em <http://www.portalbrasil.net/africa_quenia.htm>. Acesso em: 12 dez. 2011.

Background note: Kenya(em inglês). Disponível em <http://www.state.gov/r/pa/ei/bgn/2962.htm>. Acesso em: 12 dez. 2011.