Nozes

Por Ana Lucia Santana
A noz é uma fruta considerada seca, portadora de uma semente; poucas vezes será possível encontrá-la com duas sementes. As nozes reais provêm dos carvalhos, constituindo as bolotas; das avelaneiras, das faias, das castanheiras, das nogueiras e da castanha-de-caju. A maior parte destes frutos se origina dos órgãos femininos que possuem ovários inferiores.

Há várias espécies de nozes que têm como fonte as regiões de climas temperados; elas procedem de arbustos que comumente recebem o pólen do vento; estas frutas pertencem à ordem Fagales. São elas: a bolota, semente do carvalho; o produto da faia; a avelã; a noz pecã; a noz que nasce da nogueira; a noz macadâmia.

Algumas delas não são realmente consideradas como nozes: as amêndoas, as castanhas-do-pará, o coco, a castanha-da-índia, o amendoim e o pinhão. Na forma de bolotas elas são acres para o paladar, pois são constituídas por taninos, polifenóis de natureza vegetal. Isso, porém, não impede que elas sejam consumidas de forma significativa em diversas localidades.

As nozes são, entre outras frutas, um ancestral componente da ceia natalina, consumida naturalmente, ou gastronomicamente utilizada em doces, bebidas, torradas ou como ingredientes de refeições cruas. Além disso, ela também é largamente empregada na estética, já que o óleo retirado das nozes espremidas é instrumento de fabricação de cosméticos.

Recentemente descobriu-se que esta fruta tradicionalmente consumida no Natal é fonte de proteínas que contribuem para o combate de enfermidades cardiovasculares. Estudos coordenados por especialistas espanhóis concluíram que ingerir nozes depois de uma dieta rica em elementos gordurosos ajuda a reduzir seus efeitos nocivos.

Estas pesquisas tiveram seu ponto de partida no Hospital Clínico da Universidade de Barcelona, patrocinadas pela Comissão da Noz da Califórnia. Os médicos prescrevem uma média de 28 gramas diárias de nozes para que os efeitos desejados sejam alcançados. Vários testes revelaram que elas são mais benéficas que o próprio azeite, que vem levando a fama por ajudar a eliminar os altos índices de colesterol – ele também é muito útil, mas não tanto quanto esta fruta.

Elas contribuem para combater a súbita inflamação e oxidação das artérias, resultado de dietas repletas de gorduras saturadas. As nozes têm a vantagem de manter a maleabilidade e a elasticidade das artérias, não importa qual seja o nível de colesterol do paciente. Esta fruta possui igualmente arginina, aminoácido empregado pelo organismo para elaborar o óxido nítrico, elemento imprescindível para preservar as artérias flexíveis.

Ela ainda contém antioxidantes e ácido alfa-linolênico, constituído por elementos vegetais, ambos indicados para a preservação da saúde. As nozes são igualmente benéficas para os animais silvestres, como gaios e esquilos, os quais acumulam bolotas e outras modalidades de nozes ao longo do outono, para serem consumidas no inverno.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Noz
http://www.sitemedico.com.br/sm/materias/index.php?mat=963
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tanino