Bacia Amazônica

Por Emerson Santiago
A Bacia do rio Amazonas consiste no conjunto de todos os recursos hídricos convergindo para a área banhada pelo Rio Amazonas e seus afluentes, na América do Sul. Cerca de 40 % de sua área localiza-se no Brasil, extendendo-se para países como o Peru, Bolívia, Colômbia, Equador e Venezuela. Sua área abrange do mesmo modo a densa floresta amazônica, portadora de imensa biodiversidade, a qual permanece em grande parte intocada e não identificada até os nossos dias. Ela constitui uma das doze bacias macro-hidrográficas do território brasileiro.

O limite norte da Bacia Amazônica é o Planalto das Guianas, enquanto que ao sul seu limite é o Planalto Brasileiro. Ao oeste dos Andes localiza-se a nascente do Amazonas, que em território peruano recebe o nome de Marañon (ao entrar em território brasileiro, recebe o nome de Solimões). Considerado o segundo maior rio do mundo, atrás apenas do Nilo, no Egito (em volume de água é considerado o primeiro, com largura média de cinco quilômetros), o rio percorre uma área de 6400 quilômetros antes de desaguar no oceano Atlântico.

O clima na área da bacia é o equatorial, e a média de chuvas é de cerca de 1500 a 2500 milímetros anuais, sendo que a temperatura fica em torno de 30 a 35 graus. A população da área é esparsa e também escassa, com poucas cidades de porte grande, como por exemplo Iquitos (Peru), Manaus e Belém (Brasil).

Estudos indicam que a bacia formou-se a partir de um enorme golfo que tinha sua entrada pelo Oceano Pacífico; com a formação da Cordilheira dos Andes, o golfo se fechou a oeste, originando um imenso lago na parte norte da América do Sul. No momento em que ocorreu a separação do supercontinente América-África, uma abertura no lado leste surgiu, dando origem à atual configuração da bacia. Devido à sua origem lacustre, o rio Amazonas apresenta uma leve inclinação ao longo de seu caminho, de aproximadamente 100 metros. É também um típico rio de planície, navegável, bem como vários dos rios componentes de sua bacia. Tal fato mostra-se importante, pois, numa região onde estradas e outros meios de comunicação não encontram um desenvolvimento à altura, como por exemplo, da região sudeste do Brasil, é através da bacia amazônica que muito da comunicação de seus habitantes é feita, sendo importante não só como meio de sobrevivência de inúmeras comunidades ribeirinhas, mas também como meio de transporte, uma verdadeira "estrada natural".

Bibliografia:
http://www2.ana.gov.br/Paginas/default.aspx
http://www.transportes.gov.br/modal/hidroviario/ESTATISTICA/MapaBaciaAmazonica.htm