Neurologia

Graduação em Farmácia (Universidade Braz Cubas, UBC, 2012)

História da Neurologia

A neurologia surgiu durante a segunda metade do século XIX, em Paris, França, com os professores do hospital universitário de Salpêtrière, os Doutores: Charcot, Pierre Marie e Joseph Babinski.

A neurologia no Brasil teve contribuição fundamental dos mestres e pesquisadores desta escola francesa, e do considerado "pai da Neurologia no Brasil" o Doutor Antonio Austregesilo Rodrigues de Lima que em sua época dedicou seus estudos a histeria.

A disciplina de Doenças Nervosas e Mentais foi criada em 1882 de acordo com o decreto nº 3.141, e foi fundamental para dar início aos assuntos de neurologia e psiquiatria, cujas quais na época eram praticadas de forma simultânea.

Em meados de 1902 foi criado a primeira escola de neurologia no Brasil, e essas foram modernizadas nos governos de Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. A época moderna da Neurologia aqui no Brasil teve como característica a renovação das bases curriculares do ensino superior e a criação de departamentos de diversas áreas da medicina. Outro marco da neurologia moderna foi a fundação da Associação Brasileira de Neurologia (ABN) no Rio de Janeiro em maio de 1962. Entre os marcos pós modernos temos a criação de grupos de trabalhos e de departamentos científicos especializados em diferentes áreas da neurologia.

A evolução da área médica brasileira resultou em inúmeros benefícios para nosso país em mérito de conhecimentos científicos. Atualmente a neurologia é o resultado de uma trajetória longa, onde houve a contribuição de cientistas de diversos países, sendo esses pesquisadores médicos ou de outras áreas. É importante ressaltar que os diversos pesquisadores brasileiros ao longo de toda a história da neurologia contribuíram para a concretização da área e consolidação dos conhecimentos em nosso território beneficiando esta e as próximas gerações.

Estudos e definições

A área da neurologia é um ramo especializado da medicina, dentro da grande área de neurociências, na qual se relaciona ao estudo do sistema nervoso e ao tratamentos das doenças que acometem esse sistema. Este ramo médico é responsável por diagnosticar e tratar condições dos sistemas nervoso central, periférico, autonômico e somático, incluindo seus revestimentos, vasos sanguíneos e todo o tecido efetor como no caso da musculatura.

Há inúmeras especialidades dentro da neurologia que são de formação básica ao médico neurologista e outros profissionais que se interessam pelo assunto. Sendo assim estes profissionais podem seguir caminhos mais específicos em sua formação acadêmica. As principais subáreas da neurologia são:

Medicina de traumas cerebrais: esta subárea está direcionada a prevenção, avaliação, tratamento e reabilitação de indivíduos que adquiriram traumas cerebrais. Os neurologistas voltados para essa especialidade são importante intermediadores do processo de recuperação médica e melhora dos resultados funcionais de seus pacientes

Neurofisiologia clínica: o neurologista, psiquiatra ou fisiatra que foca nesta área, procura avaliar e tratar desordens dos sistemas nervoso central, periférico, e autonômico utilizando combinações de avaliações clínicas e eletrofisiológicas como nos casos da eletroencefalografia (EEG), eletromiografia (EMG) entre outros.

Medicina do sono: Esta área é voltada para profissionais com graduação na área da saúde que se interessam no estudo do sono. Neste os profissionais acompanham em aulas práticas os ambulatórios específicos. Essa área visa a identificação dos principais distúrbios do sono, permitindo que os conhecimentos adquiridos sejam praticados no cotidiano do profissional.

Atualmente são conhecidos por volta de oitenta distúrbios relacionados ao sono. Esses distúrbios podem ser subdivididos entre: os que provocam insônia, os que aumentam o estado de sono como a narcolepsia, os distúrbios que ocorrem durante o sono porém não alteram sua duração como no caso do bruxismo, sonambulismo e o ronco.

Neurologia vascular: área voltada no foco da avaliação e tratamento de eventos vasculares que afetam o cérebro ou a medula espinhal, são exemplos a hemorragia intracraniana ou da medula, isquemia da medula e o acidente vascular cerebral (AVC).

Medicina neuromuscular: O profissional que se habilita neste ramo da neurologia foca na avaliação e tratamentos das desordens de nervos, músculos ou junções neuromusculares. Como exemplos de doenças que afetam essas estruturas temos a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), neuropatias periféricas como a por exemplo a diabética, distrofias musculares, miopatias, e desordens de transmissão neuromuscular como no caso da Miastenia gravis (doença crônica caracterizada por fraqueza muscular e fadiga rápida quando o músculo é exigido).

Outras subespecialidades

Além das áreas mostradas acima, os estudantes de neurologia também podem optar pelo estudo de diversos temas que estão relacionados ao sistema nervoso como por exemplo as doenças de Parkinson, Alzheimer, Epilepsia, Esquizofrenia, doenças que causam alterações de memória, comportamento, sensibilidade, Moléstias Extrapiramidais, Cefaleia e Dor, Neurogenética, Moléstias Infecciosas, Neuroimunologia , Neuroepidemiologia, Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento, Atenção Neurológica e Neurorreabilitação, Terapia Intensiva em Neurologia.

Os profissionais graduados em medicina podem optar pela parte clínica, onde poderão fazer o diagnósticos e tratamento das doenças relacionadas com a área dentro da neurologia em que se especializou, ou ainda, optar por seguir carreira acadêmica estudando os aspectos científicos dessas patologias, porém nesses casos a parte clínica não pode ser praticada. Os demais profissionais da área da saúde que desejarem ter seu conhecimento aprofundado dentro da área de neurologia terão que seguir pela área acadêmica, ou seja, matriculando-se em cursos de pós graduação como especializações, mestrado ou doutorado, porém para esses a prática clínica não é permitida, sendo assim estarão envolvidos apenas com as pesquisas científicas e âmbitos profissionais específicos de cada área de acordo com as legislações federais vigentes.

Médicos neurologistas

O médico que se especializa em neurologia é chamado de neurologista. Após completar o bacharelado em medicina que dura em média 6 anos reconhecido tanto pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) quanto pelo Conselho Federal de Medicina, esses indivíduos precisam realizar o curso de residência em neurologia que tem duração média de 3 anos também reconhecido pelos órgãos citados além do reconhecimento da ABN.

Escolas de neurologia pelo Brasil

Os médicos que desejam ingressar no ramo de neurologia devem procurar escolas renomadas para que seu diploma seja válido e possa exercer a atividade profissional em questão.

Dentre as muitas escolas de neurologia espalhadas pelo Brasil, as principais que são reconhecidas pela Associação Brasileira de Neurologia são (em 05/2016):

  • UNIDADE DE NEUROLOGIA DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL
  • HOSPITAL DE URGÊNCIAS DE GOIÂNIA
  • HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. EGARD SANTOS (BAHIA)
  • HOSPITAL DAS CLÍNICAS/UFPE ( PERNAMBUCO)
  • HOSPITAL ESCOLA DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO
  • FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO/UERJ (RIO DE JANEIRO)
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO/UNIFESP
  • HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFPR (PARANÁ)
  • HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE
  • HOSPITAL GOVERNADOR CELSO RAMOS/SES (SANTA CATARINA).

Referencias:
http://www2.fm.usp.br/pdf/neurologia.pdf
https://www.abmsdirectory.com/pdf/Resources_guide_physicians.pdf
http://umm.edu/programs/neurosciences/health/neurology
http://umm.edu/programs/neurosciences/about-us/neurology
http://www.cadastro.abneuro.org/site/Livro%20ABN%20Historia%20da%20Neurologia%20no%20Brasil.pdf
Gomes MM. Marcos históricos da Neurologia. Rio de Janeiro: Editora Científica Nacional, 1997. 238p.
http://abneuro.org.br/conteudos/exibir/26/residencias-em-neurologia-reconhecidas-pela-abn

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Medicina, Neurologia