Figuras de Construção ou Sintáticas

Curta e Compartilhe!


Compartilhar no Whatsapp
Por Paula Perin dos Santos
As figuras de construção ou figuras de sintaxe são assim chamadas por que apresentam algum tipo de modificação na estrutura da oração.

A estrutura sintática do Português compreende uma sequência lógica que se compõe dos seguintes elementos:

NOME (elemento estático) + VERBO (elemento que revela uma situação) + COMPLEMENTO

Assim, as figuras de construção vão apresentar uma “quebra” nessa sequência lógica, através da inversão dos elementos, da omissão de alguns ou da repetição deles. Esse recurso é bastante utilizado nos textos literários, na oralidade e também como recurso convincente em propagandas veiculadas nos meio de comunicação. Com isso, que o utiliza pretende imprimir um novo tom ao que se quer dizer.

Veja o seguinte exemplo, extraído e adaptado da Revista Bravo!:

“Para acabar com a sujeira, só Bombril”.

Neste anúncio, ocorrem duas figuras de construção. Primeiro, houve a inversão dos elementos sintáticos da frase, que na ordem direta seria – “Só Bombril para acabar com a sujeira”; segundo, há pelo menos duas possibilidades de verbos subentendidos:

  • “Para acabar com a sujeira, [use] só Bombril”.
  • “Para acabar com a sujeira, só [existe] Bombril”.

Neste trecho do poema “Ou isto ou aquilo”, de Cecília Meireles, a poetisa utilizou-se da repetição para compor seus versos:

  • “Ou se tem chuva e não se tem sol
  • Ou se tem sol e não se tem chuva.”

A Gramática Normativa da Língua Portuguesa classifica as figuras de construção em: aliteração, anáfora, anacoluto, anástrofe, assíndeto, elipse, hipérbato, pleonasmo, polissíndeto, repetição, silepse e zeugma.

Referências:
MESQUITA, Roberto Melo. Gramática da Língua Portuguesa. 8 ed. São Paulo, Saraiva, 2005, p. 563.

Arquivado em: Português