Ligação Covalente Dativa ou Coordenada

Por Luiz Molina Luz
Observe o caso especial do SO2. Tanto o enxofre quanto o oxigênio pertencem ao grupo 6A (16). A ambos faltam dois elétrons para que se complete o octeto.

Fórmula estrutural:

Onde podemos “encaixar” o outro átomo de oxigênio?

Depois da formação da ligação dupla, tanto o átomo de enxofre quanto o de oxigênio já completaram seus octetos. Quando isso acontece, e mais átomos poderão fazer parte da molécula, estes se unem por ligações covalentes dativas ou coordenadas. No caso citado, o átomo de enxofre apresenta dois pares de elétrons que não foram utilizados em nenhuma ligação (pares de elétrons não-ligantes ou pares de elétrons livres). O segundo átomo de oxigênio se aproxima e também passa a usar um desses pares eletrônicos do enxofre. O par passa a pertencer tanto ao enxofre quanto a esse “novo” oxigênio (como na ligação covalente “normal”). A diferença é que, nesse caso, o “dono” original do par era o enxofre, enquanto na covalente “normal” cada átomo é “dono” originalmente de apenas um elétron de cada par compartilhado. Veja estrutura de Lewis abaixo:

O segundo átomo de oxigênio fez a ligação dativa com o enxofre, e não com o outro oxigênio, que também apresenta pares de elétrons não-ligantes por causa da diferença de eletronegatividade.