Destruição de habitat

Graduação em Ciências Biológicas (Unicamp, 2012)
Mestrado Profissional em Conservação da Fauna Silvestre (UFSCar e Fundação Parque Zoológico de São Paulo, 2015).

Publicado em 02/07/2019

Em todo planeta existe degradação ou destruição de habitat. Do passado até o presente, ela tende a ocorrer em locais de alta densidade humana. Isso significa que ocorre um processo de mudança nessa terra e nos recursos naturais dela, fazendo com que animais e plantas se desloquem ou deixem de existir, naquele ambiente.

Causas

A degradação se inicia quando o ser humano precisa manipular o meio em que vive para desenvolver atividades de produção e urbanização. Os principais fatores dessa destruição, no mundo, tem sido:

  • Em primeiro lugar a pecuária, que além de desflorestar, para a criação de pastos, desmata para produção de alimentação para a criação. Além disso, produz dejetos que contaminam o solo e as águas, chegando a atingir os oceanos. Nos países tropicais há uma taxa de 7 milhões de hectares devastados, todo ano, para esta atividade.
  • Agricultura: A expansão da agricultura causa impactos ambientais como: erosão, contaminação das águas com agrotóxico, compactação e impermeabilização dos solos pelo uso intensivo de máquinas agrícolas, contaminação de alimentos e animais, desmatamento da cobertura nativa; assoreamento de rios e reservatórios, disseminação de pragas, alterações no clima, e finalmente, a perda de habitat natural para animais e plantas, colocando a biodiversidade em risco. A agropecuária leva à exposição do solo, que se torna mais suscetível à erosão.
  • Extração de madeira: O uso da madeira e sua retirada de forma não sustentável, sem manejo apropriado, é um dos grandes fatores de desflorestamento. Um exemplo disso é a exploração da madeira na Amazônia, para construção civil no país e para exportação. O desmatamento na Amazônia cresceu de forma assustadora, chegando a 19 ha/hora no início de 2019.
  • Construções civis: Além de transformar o espaço físico para a urbanização, há uso de madeira paras as construções. As regiões com maior número de pessoas, como a sudeste, é a que mais usa no Brasil.
  • Queimadas e Incêndios: São atividades realizadas geralmente para “limpar” a terra para agropecuária. Podem ser geradas de forma intencional, ou acidental, causando bastante impacto nas comunidades naturais.

Plantação de soja avança pela pela Floresta no interior do Brasil, provocando destruição de habitats. Foto: Frontpage / Shutterstock.com

Quanto mais cresce a população humana de um determinado local, maior a urbanização, o que aumenta a demanda de recursos renováveis e não renováveis, de energia e cresce o impacto causado ao meio natural, nas florestas e águas do planeta.

Além das florestas, o homem destrói áreas alagadiças, drenando ou aterrando para desenvolvimento de estruturas que impactam as espécies que dependem delas, como a fauna aquática, aves que se alimentam por ali, ou plantas exclusivas deste tipo de ambiente. Os manguezais são ecossistemas muito importante nas regiões tropicais do globo, além das raízes das árvores drenarem os sedimentos que descem dos rios, os manguezais são a base da cadeia alimentar marinha. São desmatados com frequência para cultivo de arroz e criação de camarão, além de aterrados, para construções.

A poluição dos rios é uma atividade comum onde há ocupação humana próxima, seja pelo descarte de dejetos, produtos químicos, pesticidas, agrotóxico, etc. A poluição pode levar à morte de um rio, como ocorreu com o Rio Doce, em um derramamento de lama tóxica, em 2015. Os danos causados à fauna e flora podem ser irreversíveis. Os recifes de corais, são habitats marinhos que também sofrem com a sua destruição, podendo chegar a uma perda de 70% nas próximas décadas.

Espécies endêmicas são aquelas encontradas apenas em uma região, a destruição de habitats é uma grande ameaça de extinção a essas espécies.

Consequências

As consequências da destruição de habitat podem ser diversas: Fragmentação de habitat, mudanças climáticas, aumento de espécies invasoras, desertificação e é a maior causa de extinção de espécies, hoje.

É importante destacar que mesmo não havendo a destruição do habitat, pode haver a degradação dele, há longo prazo, com atividades que não alteram a estrutura da comunidade de imediato. A poluição ambiental, com os pesticidas, produtos químicos, emissões de esgoto industrial e urbano, emissão de gases poluentes, são algumas das situações em que há degradação do habitat ao longo de gerações, para as espécies.

Referências:

PRIMACK, Richard; RODRIGUES, Efraim. Biologia da Conservação. Londrina: E. Rodrigues, 2001.

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-753X2012000200002&script=sci_arttext&tlng=es

https://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,desmatamento-avanca-na-amazonia-que-perde-19-hectares-de-florestashora,70002838401

http://www.secovi.com.br/noticias/madeira-e-legal-disponibiliza-novo-livro-para-download-gratuito-/10992

https://pt.wikipedia.org/wiki/Rompimento_de_barragem_em_Mariana

https://educacao.uol.com.br/disciplinas/biologia/recifes-de-corais-2-as-ameacas-de-destruicao-aos-recifes-de-corais.htm

http://www.zonacosteira.bio.ufba.br/degradacao.html

http://amazonia.org.br/2016/09/pecuaria-e-responsavel-por-mais-de-80-do-desmatamento-no-brasil/

http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=890:queimadas-no-brasil&catid=51:letra-q

http://meioambiente.culturamix.com/natureza/impactos-ambientais-da-urbanizacao

https://pt.wikipedia.org/wiki/Destrui%C3%A7%C3%A3o_de_habitat

Arquivado em: Ecologia