Leucoplasto

Bacharel em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2015)

Os leucoplastos são uma forma especializada de plastídio encontrado nas células vegetais. Diferente de cloroplastos e cromoplastos, os leucoplastos não possuem pigmentos, sendo incolores. Devido a esta característica sabe-se que eles não são utilizados na fotossíntese, por isso eles são encontrados em tecidos como raízes, bulbos e sementes.

Assim como os protoplastídios, que se diferenciam em uma série de outras organelas, os leucoplastos também possuem plasticidade morfofuncional e podem gerar amiloplastos, elaioplatos ou proteinoplastos. Cada uma destas formas está relacionada com o conteúdo do material de reserva: carboidratos, lipídeos ou proteínas, respectivamente. Em alguns tecidos vegetais os leucoplastos não assumem uma função especifica de armazenar produtos bioquímicos, permanecendo indiferenciados. Nesta conformação está organela exerce o papel essencial de local de biossíntese de ácidos graxos, aminoácidos e outros compostos complexos importantes para o metabolismo celular.

Existe ainda um tipo especial de leucoplasto, os tanosomas. Esta forma sintetiza e produz taninos e polifenóis. Eles se formam através de reentrâncias no estroma que passam a acumular uma grande quantidade de taninos. Lentamente estas invaginações se quebram em vacúolos contendo o tanino, carreando-o para vacúolos maiores preenchidos por fluidos ácidos. Depois disso está biomolécula é estocada em acreções em tecidos clorofilados do corpo do vegetal, servindo como um potente mecanismo de defesa contra radiação solar, patógenos e reduzindo a herbivoria (uma vez que os taninos produzem um gosto ruim e pouco palatável).

Os leucoplastos são geralmente pequenos e de forma ameboide altamente mutável, sendo menores do que os cloroplastos, e podem se localizar dispersos no citoplasma, em posições periféricas, ou agrupados em torno do núcleo. Quando diferenciado em amiloplasto eles ficam consideravelmente maiores e são importantes para a reserva de açúcares e também para a orientação gravitacional da raiz (gravitropismo). Já na forma de proteinoplasto e elaioplasto eles se concentram majoritariamente em sementes, servindo de reservas proteicas e de óleos para o embrião.

A caracterização desta organela como uma classe específica ocorreu após uma série de pesquisas científicas observarem várias características únicas aos leucoplastos: ausência de tilacoides, estroma menos denso que outras formas de plastídeos, ausência de ribossomos de tamanho 70S (unidade de medida relativa ao coeficiente de sedimentação e pode ser convertida por S = 1x10-13 cm/seg) e a presença de nucleóides de fibrilas de DNA.

Estudos observaram que antes da divisão celular os leucoplastos exibem uma série de comportamentos específicos associados à sua própria divisão. Em uma célula vegetal em interfase (que não entrou em processo divisional), os leucoplastos são ameboides, contendo de 4 a 10 nucleoides de DNA. Quando a célula vegetal ativa o maquinário de divisão, as organelas também se dividem. Neste estágio, os leucoplastos assumem uma forma de halter, gerando duas organelas filhas esféricas através da constrição da sua região mediana. Cada leucoplasto filho possui metade da quantidade de nucleoides encontrado nas formas ameboide e de halter. Com o amadurecimento e crescimento o leucoplasto aumenta a quantidade de nucleoides, retornando aos valores que o progenitor apresentava.

Referências:

Brillouet, J.M., Romieu, C., Schoefs, B., Solymosi, K., Cheynier, V., Fulcrand, H., Verdeil, J.L. and Conéjéro, G., 2013. The tannosome is an organelle forming condensed tannins in the chlorophyllous organs of Tracheophyta. Annals of botany, 112(6), pp.1003-1014.

Carde, J.P., 1984. Leucoplasts: a distinct kind of organelles lacking typical 70S ribosomes and free thylakoids. European journal of cell biology, 34(1), pp.18-26.

Nishibayashi, S. and Kuroiwa, T., 1982. Behavior of leucoplast nucleoids in the epidermal cell of onion (Allium cepa) bulb. Protoplasma, 110(3), pp.177-184.

Plaxton, W.C., Dennis, D.T. and Knowles, V.L., 1990. Purification of leucoplast pyruvate kinase from developing castor bean endosperm. Plant physiology, 94(4), pp.1528-1534.

Arquivado em: Citologia