Fatores abióticos

Bacharel em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2015)

Os ecossistemas são compostos pelos organismos vivos que habitam um local e interagem entre si e pelas condições físicas e químicas do meio ambiente que afetam tanto as populações quanto o funcionamento do ecossistema. A este conjunto de características físicas damos o nome de fatores abióticos. Os principais fatores abióticos são:

A) Água – essencial a vida de todos os seres vivos, seja como recurso ou como local de vida. O balanço hídrico de um ecossistema é vital para a manutenção de seu funcionamento. Este balanço é mantido pelo ciclo da água, através do regime pluviométrico, fluxo dos rios, tempo de residência da água em lagos e acesso a fontes de água subterrânea. O stress hídrico é tão devastador para um ecossistema que, caso seja uma situação duradoura e continua, pode levar ao colapso completo de toda uma comunidade;

B) Luz e radiação – os organismos produtores dependem da luz para produzir as moléculas orgânicas que lhes mantem vivos. Muitas populações são adaptadas para sobreviver em locais com alta radiação e longos períodos iluminados (regiões tropicais) assim como também existem comunidades adaptadas as condições de períodos curtos de luminosidade (nas altas latitudes). A energia solar também serve para aquecer o corpo dos animais e auxiliar na manutenção de suas taxas metabólicas, especialmente para os organismos ectodérmicos como os répteis;

C) Temperatura – a variação térmica de uma região define os limites de vida dos organismos vivos. Em muitos casos, como ocorre nas zonas temperadas, as baixas temperaturas fazem os organismos migrarem ou hibernarem, alterando toda a dinâmica do ecossistema. Inversamente, os períodos quentes e secos das savanas africanas exigem o máximo de resiliência das populações que nelas habitam. As adaptações comportamentais e morfológicas dos seres vivos relacionadas às condições térmicas tem uma longa história evolutiva e, por este motivo, o rápido e recente aquecimento do planeta é extremamente preocupante, pois muitos organismos não serão capazes de sobreviver a tais mudanças;

D) Umidade – é o vapor de água presente na atmosfera que exerce pressão direta sobre os organismos vivos. Em florestas tropicais, por exemplo, onde a umidade do ar é alta, a eficiência da troca de calor por transpiração diminui, causando uma maior pressão hídrica. A umidade está diretamente relacionada à temperatura, variando consideravelmente entre as diferentes regiões do planeta;

E) Atmosfera – as condições atmosféricas também afetam os ecossistemas, podendo agir como perturbações de intensidades variadas. O vento quente de um deserto causa uma maior perda de água nos organismos que lá habitam enquanto um ciclone ou tufão tem consequências catastróficas para o equilíbrio ecológico, aumentando a taxa de mortalidade drasticamente. As massas de ar que se deslocam através das correntes de ar são essenciais para carrear umidade para regiões mais secas. Nos oceanos, os ventos influem na força das marés e são muito importantes para a oxigenação das camadas superficiais da água;

F) Solo – possui uma porção biótica (microrganismos e substâncias de origem orgânica) e uma porção abiótica, associada às diferentes formações rochosas e tipos de solo. O solo serve de substrato para o crescimento dos vegetais, participando do ciclo de diversos nutrientes essenciais, além de também servir como abrigo e habitat para organismos crípticos.

Além das condições ambientais, os recursos de origem inorgânica de um local também são classificados como um fator abiótico. Exemplos seriam os nutrientes minerais do solo absorvidos pelas plantas e as tocas ou cavernas utilizadas como habitat. Estes são essenciais para o crescimento e a sobrevivência das populações e também são levados em conta quando definimos se um ecossistema é funcional e está em equilíbrio acerca de seus fatores abióticos.

Referências:

D'Alpaos, A., 2011. The mutual influence of biotic and abiotic components on the long-term ecomorphodynamic evolution of salt-marsh ecosystems. Geomorphology, 126(3-4), pp.269-278.

Odum, E.P., Odum, H.T. and Andrews, J., 1971. Fundamentals of ecology (Vol. 3). Philadelphia: Saunders.

Sun, D., Meng, J. and Chen, W., 2013. Effects of abiotic components induced by biochar on microbial communities. Acta Agriculturae Scandinavica, Section B-Soil & Plant Science, 63(7), pp.633-641.

Arquivado em: Ecologia