Alimentos que o Brasil precisa importar

Especialista em Geografia do Brasil (Faculdades Integradas de Jacarepaguá, RJ)
Mestre em Educação (Estácio de Sá, 2016)
Graduado em Geografia (Simonsen, 2010)

O Brasil é um dos mais importantes produtores mundiais de alimento, sendo uma verdadeira potência agropecuária, com um potencial enorme para amplias sua produção agrícola e pecuária, tudo isso em boa parte dada a sua grande extensão territorial e a sua imensa diversidade de climas e biomas (permitindo que haja uma produção agrícola bem variada).

Porém, apesar de tudo isso, o Brasil ainda depende da importação de uma quantidade bem considerável de alguns tipos de alimentos que ele não produz ou ao menos não produz em quantidade suficiente para abastecer toda a demanda do mercado interno.

Um dos principais alimentos que é importado e que compõe o cotidiano brasileiro, sendo a base para a fabricação de pães, bolos, tortas, salgados, pizzas, massas e muitas outras receitas comuns na culinária brasileira: o trigo.

Em 2019, quase 40% do trigo consumido no Brasil foi importado, a maior parte da Argentina. Foto: Ievgenii Meyer / Shutterstock.com

Disparado, é o alimento mais importado pelo Brasil, tanto pelas dificuldades enfrentadas para produzir o mesmo em território nacional quanto por ser um produto muito importante na dieta brasileira. Outros alimentos que são utilizados para fins parecidos como o centeio, também são importados.

Como ocorre com outros produtos, como o Petróleo, na área de alimentos também é muito comum o Brasil ser exportador e importador do mesmo alimento, exportando ainda ele mesmo só que como matéria-prima e importando ele já processado. Ex.: exportando laranja e importando suco de laranja, ou exportando batata e importando batata congelada pré-frita.

Em alguns casos, ocorre também a importação pelo preço do alimento no mercado internacional estar mais em conta do que o de produzir ele no Brasil. Portanto, o consumidor acaba muitas vezes comprando no exterior (o que prejudica e eventualmente pode quebrar o produtor nacional).

Até mesmo feijão, arroz, banana e outros produtos do cotidiano brasileiro costumam ser, ao menos em parte, importados para suprir as demandas do mercado interno com menor custo, ao menos em certas épocas do ano quando há maior dificuldade na nossa produção daqueles alimentos.

Boa parte dos alimentos típicos da ceia de Natal do Brasil são importados, tal como se trata de uma cultura importada para o nosso país: damasco, figo, castanha portuguesa, avelã, nozes, tâmaras dentre outros.

Não só alimentos vegetais são importados, muitas vezes o Brasil importa também alimentos de origem animal, como o famoso Bacalhau da Noruega.

Muitos esquecem que também são considerados alimentos, mas as bebidas alcoólicas também contam com uma grande variedade produzidas no Brasil sem, no entanto, deixar de contar com muitas importações (especialmente entre bebidas mais refinadas, alguns tipos especiais de cervejas, vinhos e saquês), ou mesmo aquelas que são basicamente apenas importadas (salvo em imitações de baixa qualidade) como nas vodcas e uísques.

Outro mercado que é bem abastecido pelos produtos nacionais, mas não deixa de contar com importações mais sofisticadas é o café. Cafés processados pelos Estados Unidos da América ou mesmo comprados in natura da África, América do Sul, América Central e Ásia, são importados pelos brasileiros.

Referências:

https://abra.ind.br/blog/abra-news/cresce-dependencia-de-insumos-importados/

https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/RN/Anexos/bol2.pdf

https://extra.globo.com/noticias/economia/cada-vez-mais-brasil-traz-alimentos-do-exterior-de-arroz-feijao-banana-3092218.html

https://www.fazcomex.com.br/blog/importacao-de-trigo/

Arquivado em: Economia