Quinolonas

Graduação em Farmácia e Bioquímica (Uninove, 2010)

As quinolonas são fármacos antimicrobianos, utilizados em infecções de origem bacteriana. As primeiras quinolonas surgiram no início da década de 1960, com a introdução do ácido nalixídico na terapêutica. A partir de modificações feitas na estrutura no ácido nalixídico, surgem as fluorquinolonas (introdução de um átomo de flúor no anel quinolônico), tendo o ciprofloxacino como representante desta classe. Tal descoberta incentivou a pesquisa por novos derivados, surgindo fármacos como a levofloxacina, gatifloxacina e moxifloxacina. A gatifloxacina foi retirada do mercado devido relatos de alterações glicêmicas, principalmente em pacientes idosos e diabéticos.

Classificação

Existem as quinolonas de primeira, segunda, terceira e quarta geração. As quinolonas de primeira geração incluem o ácido nalixídico e ácido piromídico. Possuem atividade anti-enterobactérias, porém não atuam contra pseudomonas ou bactérias gram-positivas.

O norfloxacino e ciprofloxacino pertencem às quinolonas de segunda geração. Já atuam contra pseudômonas, porém, assim como as de primeira geração, possuem atividade limitada para o trato urinário.

De terceira geração temos o levofloxacino, com propriedades superiores ao ciprofloxacino e atividade antipneumocócica, sendo a droga de escolha no tratamento de infecções do trato respiratório. Atuam contra bactérias gram-negativas, incluindo o pseudomonas, e contra estafilococos, podendo ser empregada em infecções sistêmicas.

Já as quinolonas de quarta geração tem seu espectro de ação aumentado, atuando também contra estreptococos hemolíticos, pneumococos e anaeróbios. Integrantes deste grupo são o clinafloxacin, gatifloxacino, trovafloxacin e sitafloxacin.

Mecanismo de ação e resistência

Possuem atividade bactericida, matando os alvos bacterianos. Atuam inibindo a ação das subunidades “A” da DNA-girase ou topoisomerase II, enzima que atua na divisão celular, sendo responsável pela divisão da cadeia de DNA. A inibição da enzima faz com que as extremidades da molécula de DNA fiquem livres, acarretando em um síntese descontrolada de RNA mensageiro e proteínas, culminando na morte bacteriana.

As bactérias podem desenvolver resistência ao antibiótico, que não fará mais o efeito. Isso acontece devido a uma alteração na enzima DNA-girase, que torna-se resistente a ação do fármaco. Essa alteração pode se dar por mutação gênica dessa enzima ou por alteração da permeabilidade da membrana bacteriana à entrada da droga na célula.

Indicações clínicas

As principais incluem:

  • Infecções do trato genito-urinário: o mais indicado é o ácido nalixídico. As fluorquinolonas são indicadas para o tratamento de pielonefrites complicadas, além de prostatites. De modo geral, as quinolonas podem ser utilizadas em infecções urinárias não complicadas, e contra bactérias que afetam o trato genital, como a Chlamydea trachomatis e Mycoplasma hominis.
  • Infecções do trato gastrointestinal: as quinolonas são ativas contra todas as bactérias que causam gastroenterites, inclusive contra as bactérias do gênero Salmonella.
  • Infecções do trato respiratório: a levofloxacina possui atividade contra cocos gram-positivos (pneumococos), sendo indicada em quadros de sinusite, além de certos tipos de pneumonia e bronquites agudas.
  • Osteomielites: inflamação óssea causada por infecção bacteriana.
  • Infecções cutâneas e de tecidos moles: indicadas em infecções de pele, escaras e úlceras infectadas, além de pé-diabético com infecção bacteriana.
  • Atividade contra micobactérias: as quinolonas indicadas são o ciprofloxacino, ofloxacino e levofloxacino, apresentando ação contra M. tuberculosis, M. fortuitum, M. kansasii.

Efeitos adversos

Podem ocorrer náuseas, diarreia, alergias e reações cutâneas, artralgia e tendinite. Ações no SNC incluem cefaleia, tontura, insônia e alterações do humor. Confusão mental e tontura podem ocorrer quando em associação a teofilina e anti-inflamatórios não-esteroidais (AINEs). São contra-indicadas em crianças que estão em fase de crescimento, por provocar o fechamento das placas epifisárias.

Interações medicamentosas

A absorção das quinolonas é significativamente reduzida quando administradas em associação com suplementos contendo ferro ou zinco, além do sucralfato, hidróxido de alumínio ou magnésio. Podem prolongar o tempo de meia vida da teofilina, podendo haver aumento da sua toxicidade.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Farmacologia