Economia do Nordeste

Ouça este artigo:

Entre os anos de 2002 e 2017, o PIB (Produto Interno Bruto) do Nordeste apresentou uma notável evolução. Isso ocorreu por meio de fatores econômicos e políticos que aconteceram no Brasil no período em questão. Assim, a economia do Nordeste foi impulsionada em paralelo ao crescimento econômico e social do país.

Alguns fatores que ocasionaram o crescimento do PIB do Nordeste acima da média nacional a partir dos anos 2000 foram: implantação de medidas sociais visando ampliar a transferência de renda, aumento do salário mínimo, oferta de crédito familiar, empresarial, investimentos retomados aos setores públicos e privados; e a estabilização dos preços.

Assim, estes elementos geraram oportunidades na área de negócios, impulsionando a criação de postos de trabalho na região Nordeste. Em paralelo a este processo, houve também algumas políticas direcionadas à infraestrutura, enfaticamente no setor de energia elétrica e de transportes. Com isso, várias empresas privadas foram atraídas para a região, dando viabilidade aos diversos segmentos econômicos regionais.

Isso se refletiu nos números apresentados para a economia da região Nordeste em 2017, quando o PIB chegou ao montante de R$ 953,21 bilhões. Somente entre os anos de 2002 e 2017, o PIB obteve registro referente ao crescimento real chegando a 2,69%, número que era superior ao aumento totalizado somando todas as regiões do país (2,39%). Desta maneira, naquele período a economia do Nordeste chegou a ser a terceira maior entre as regiões brasileiras, somente atrás do Norte (3,67%) e do Centro Oeste (3,59%), ficando à frente do Sudeste (2,08%) e do Sul (2,11%).

Quando levada em consideração a série histórica, somente em 2007, 2010 e em 2016 a economia do Nordeste não obteve crescimento maior do que o da média nacional. Ainda na mesma faixa de tempo delimitada, o PIB chegou aos 48,89%, superando o incremento real da média do país, que era de 42,48%. Assim, evidencia-se que a elevação da participação do Nordeste no PIB brasileiro foi elevada.

Conteúdo deste artigo

Setores econômicos do Nordeste

A economia do Nordeste é impulsionada pelos seguintes setores: indústria, agropecuária, tecnologia, turismo, serviços e comércio.

Agropecuária

A economia da região Nordeste apresenta forte atividade agropecuária da cana de açúcar, que resulta em elementos como o etanol e o açúcar. A região principal desta atividade é a Zona da Mata, área do litoral que se espraia da região sul da Bahia até o Rio Grande do Norte. Os estados que obtém destaque nesta atividade são: Paraíba, Pernambuco e Alagoas.

Além da cultura da cana de açúcar, a região Nordeste também apresenta atividades direcionadas ao cultivo de café, feijão, mandioca, milho, sisal, castanha de caju, banana, coco, além de agave. Ocorre no Nordeste também a cultura de arroz, com forte presença no chamado Meio Norte. Esta região compreende o território onde ocorre a transição do Sertão para a Amazônia Úmida, área em que estão localizados o Piauí e o Maranhão. O cultivo de arroz é notável nestas regiões devido à presença de planícies fluviais formadas por rios, nas quais se concentra o cultivo do grão. Nestes estados é produzida também a soja.

O estado da Bahia configura-se como o segundo que mais produz laranja e algodão em escala nacional. Destaca-se também pela cultura da soja. Já no Rio Grande do Norte, no Piauí, na Paraíba e no Ceará ocorre o destaque para a produção de algodão. A Paraíba, particularmente, tem destaque na produção de um algodão de tipo naturalmente colorido.

Indústria

O setor industrial da economia do Nordeste pode ser observado a partir do Complexo Industrial Portuário de Suape, que se localiza em Ipojuca (Pernambuco), sendo um dos mais importantes polos de investimento brasileiro. Aglomera cerca de 120 companhias, entre as quais se destacam: Bunge Alimentos, Arcor do Brasil, Petrobrás Distribuidora, Refinaria Abreu Lima, entre outras.

Outros destaques da indústria do Nordeste podem ser vistos no Polo Automotivo de Pernambuco, nas indústrias mecânicas do Recife, no Polo Petroquímico de Camaçari, nos centros industriais dos segmentos de confecção de roupas, alimentos e têxtil de Fortaleza, além da Rota do Vinho, localizada no Vale do Rio São Francisco.

Turismo

Considerada uma das áreas de maior esplendor natural do Brasil, a região Nordeste também apresenta cidades de valor histórico-cultural. Além das lindas praias, ilhas e rios, constam no Nordeste os centros históricos de Salvador, São Luís e Olinda. Além disso, instalações do período barroco do século 16 podem ser visitadas em João Pessoa. Outra cidade historicamente rica é Recife, com suas notáveis estruturas seculares bem conservadas. Em Pernambuco encontra-se o Teatro de Nova Jerusalém, considerado como a maior estrutura ao ar livre para apresentações.

Leia também:

Fontes:

BAER, Werner. A Economia Brasileira. São Paulo: Nobel, 1996, 416p.

LEÃO, Hellen Cristina Rodrigues Saraiva. PIB do Nordeste cresce acima da média Nacional. Fortaleza:Banco do Nordeste do Brasil, ano II, n.117, 02 dez.2019. (Diário Econômico ETENE,n.117)

http://www.uesc.br/eventos/ivsemeconomista/anais/gt7-6.pdf

https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5592/1/BRU_n08_agricultura.pdf

Arquivado em: Brasil, Economia