Segunda Guerra Mundial na América

Mestrado em História (UDESC, 2012)
Graduação em História (UDESC, 2009)

Apesar de os Estados Unidos terem sido uma potência combativa durante a Segunda Guerra Mundial, seu território não sofreu tantos ataques e nem foi palco de muitos conflitos como os continentes europeu e asiático.

Ainda assim, alguns ataques ocorreram na América do Norte, especialmente por parte dos japoneses e alemães. O ataque à Pearl Harbor foi o mais famoso ataque japonês aos Estados Unidos mas não ocorreu na área continental, e sim nas ilhas do Havaí, no meio do oceano Pacífico.

O primeiro ataque em solo norte-americano partiu dos japoneses e aconteceu em 23 de fevereiro de 1942. Um submarino japonês atacou as refinarias de óleo de Ellwood em Santa Barbara. O ataque não deixou feridos nem mortos, apenas perdas materiais e a vulnerabilidade dos Estados Unidos em seu solo.

Em 21 de junho de 1942 mais um ataque submarino japonês, desta vez próximo ao Rio Columbia, no Oregon. Com o disparo de projéteis contra o Forte Stevens. Neste evento somente um campo de basebol foi atingido. Poucos meses depois, em 9 de setembro de 1942, um pequeno avião japonês sobrevoou Oregon, bombardeando o local com bombas incendiárias, na intenção de provocar um grande incêndio. Mesmo esta tentativa não gerou muitos danos mas o evento foi emblemático pois foi a primeira vez que o tão distante Estados Unidos (em comparação à proximidade das nações europeias e asiáticas) foi atacado pelo espaço aéreo.

Em 1942, como parte da estratégia japonesa para a Batalha de Midway, ilhas do Alasca foram incendiadas. A intenção principal era desviar a atenção dos norte-americanos, para conclusão do principal ataque, no Atol de Midway no Pacífico. Como a inteligência norte-americana já havia decodificado os códigos secretos japoneses, sabiam da intenção e pouco se importaram com o ataque nem gastaram recursos para defesa das ilhas do Alasca.

Ainda que pontuais, os ataques aos Estados Unidos mostram o poder bélico e a tecnologia dispendida para atacar locais longínquos e que exigiam estratégia e poderio em armamento.

Os alemães também atacaram o inimigo Estados Unidos em seu território. Adolf Hitler enviou espiões alemães à América para ações diretas e de inteligência. Em 12 de junho de 1942 o U-Boot (como eram chamados os submarinos alemães) deixou em território norte-americano explosivos e homens em Long Island, Nova Iorque. Estes homens levaram consigo planos de explosões a canais e barragens. Entretanto, a operação foi descoberta e um dos espiões entregou os planos a agentes do FBI.

Neste mesmo tempo, outros quatro agentes alemães chegaram aos Estados Unidos pela Flórida. Logo se separaram e dois foram conduzidos para Chicago e os outros dois para Nova Iorque. Porém, com a delação do primeiro agente ao FBI os demais foram descobertos e capturados. Como resultado da empreitada a Alemanha perdeu seus espiões, pois seis dos oito agentes foram executados e os outros dois cumpriram um tempo de prisão.

Operações U-Boot foi como ataques por meio de submarinos foram feitos contra comboios Aliados no Oceano Atlântico, próximo à costa norte-americana. Com esta estratégia a Alemanha conseguiu atingir várias embarcações próximas à costa de Nova Iorque e Boston. Os ataques no mar foram tão próximos que puderam ser vistos por quem estivesse pela costa.

Os alemães planejaram também atacar os Estados Unidos pelos céus, mas não chegaram a concluir o projeto.

Pelos eventos ocorridos é possível perceber que houve um forte investimento em tecnologia e em armamento por parte do Eixo e dos Aliados, e sua guerra venceu barreiras físicas, chegando ao continente americano.

Bibliografia:

HOBSBAWM, E. J. Era dos extremos: o breve século XX: 1914 - 1991. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras